Última hora

Última hora

Há muita coisa por explicar - diz analista polaco

Em leitura:

Há muita coisa por explicar - diz analista polaco

Tamanho do texto Aa Aa

O nosso convidado é o analista, Bartlomiej Biskup, da Uiversidade de Varsóvia.

euronews – Podemos dizer que o caso Smolensk influencia ainda a política poloca?

BB – Circula em toda a parte, esse caso. É a sociedade que quer saber o que se passou.

EN – Podem obter-se efeitos políticos, com a queda do avião, em Smolensk?

BB – Bem, eu acredito que se pode tentar explicar cada detalhe da catástrofe. Há muitas versões desconhecidas, no lado russo. Os destroços do avião estão ainda na Rússia, embora pertençam à Polónia. Este processo de investigação, em qualquer momento, tomará conhecimento de aspetos que entrarão na nossa História comum, Russo-Polaca. Pode ser um processo demorado, porque a Rússia, neste caso, é muito importante.

EN – Há, por isso, alguma possibilidade, alguma tentativa…?

BB – Do que nós sabemos, não se fez nenhuma tentativa, mas isto é apenas o que nós sabemos. Nem tudo foi explicado.

EN – Quem beneficiaria, com a morte da delegação polaca a Katyn?

BB – Há muitos grupos de interesse na política e na economia. Como os grupos que tratam do gás e do petróleo. Devemos recordar ainda que Lech Kaczynski estava a tentar criar uma espécie de grupo forte de países, na Europa Central e na Europa Oriental, nas repúblicas que integraram a União Soviética. Apoiava os seus interesses, pós-independência e uma economia forte. Era também a Polónia que defendia os interesses vitais, nesta região.

EN – O que pensa da tragédia e da luta de Smolensk e da forma como é vista no mundo? Os meios de comunicação, em todo o mundo, parecem ignorá-lo. Significa que inguém se interessa mais pelo caso de Smolensk?

BB – Penso que este mundo não se interessa, porque não tem nenhum interesse nisso. Isso passa-se com a União Europeia que não tem nenhum negócio político ou económico aí. A União Europeia não é formalmente parceiro neste caso, porque a Polónia nunca pediu apoio, no caso de Smolensk. Por isso, a União Europeia não pode fazer muito mais, não pode retirar qualquer benefício de Smolensk. Eu também penso que isto acontece, por duas razões: porque a Polónia nunca formalizou um pedido de ajuda e a União disse, ‘tomem o assunto nas vossas mãos’. E a Polónia é um vizinho da Rússia, por isso o assunto deve ser tratado no plano das relações bilaterais.