Última hora

Última hora

Salão Automóvel de Pequim: A aposta dos construtores

Em leitura:

Salão Automóvel de Pequim: A aposta dos construtores

Tamanho do texto Aa Aa

É com os olhos postos no mercado chinês, que os construtores participam no maior salão automóvel do Mundo: o de Pequim. Nos próximos dias, serão revelados uma centena de novos modelos, alguns deles concebidos especialmente para os chineses.

Face à queda das vendas na Europa e Estados Unidos, os fabricantes contam com a China para continuarem a crescer, apesar da progressão do mercado chinês estar agora nos 2% contra os 35% de há dois anos.

A Volkswagen lidera em termos de quota de mercado, seguida pelos seus parceiros chineses da SAIC. Surgem depois dos norte-americanos da General Motors e os sul-coreanos da Hyundai.

Tycho de Feyter, editor de uma revista automóvel chinesa online, defende: “A indústria automóvel chinesa quer dar nas vistas. Querem mostrar o que têm, querem mostrar inovações e novos carros, por isso é muito importante. Está diretamente ligado ao governo chinês, que quer mostrar ao mundo o seu avanço tecnológico, o que podem fazer no mundo automóvel”.

No ano passado, na China foram vendidos 18,5 milhões de veículos, mais do que nos Estados Unidos. Mas são os construtores no segmento do luxo que veem as maiores margens de progressão. Para este ano estimam crescer 15 a 20 por cento.