Última hora

Última hora

"Agricultores de sofá" devem ficar excluídos na reforma da PAC

Em leitura:

"Agricultores de sofá" devem ficar excluídos na reforma da PAC

"Agricultores de sofá" devem ficar excluídos na reforma da PAC
Tamanho do texto Aa Aa

Dois terços do orçamento da União Europeia são usados na Política Agrícola Comum (PAC) e nos fundos de desenvolvimento regional. Mas milhões de euros acabam nas mãos dos “agricultores de sofá” como lhes chama a própria Comissão Europeia, que vai publicar uma lista negra sobre pessoas e entidades que vão ficar excluídas das próximas ajudas.

Os verdadeiros agricultores, como o belga Marc Degossely, aplaudem a intenção: “Um proprietário é alguém que tem capital e o investiu em terra, ficando à espera de receber as receitas do arrendamento. Já um agricultor é aquele que vive da produção da terra e que está à mercê dos preços internacionais dos produtos agrícolas, que umas vezem sobem e outras descem. É este último que deve receber ajuda”, disse à euronews.

Quem vai receber subsídios da PAC entre 2014 e 2020 é um dos temas que domina a reunião dos ministros da Agricultura, no Luxemburgo, esta quinta e sexta-feira. O Parlamento Europeu, que entregará um relatório em Junho, também defende critérios claros.

“Estamos a falar dos campos de golfe, dos aeroportos e de outros proprietários de terra que nada têm a ver com a agricultura, como as companhias de seguros. É, portanto, necessário esclarecer quem deve ou não ser financiado pela PAC e deixar que os Estados membros definam, entre os seus agricultores ativos, quais os que cumprem os critérios para receberem ajudas”, considera o eurodeputado italiano socialista Paolo de Castro, que preside à comissão de Agricultura.

Os subsídios vão ser plafonados em três escalões, com um teto máximo de 300 mil euros.

Portugal é um dos países que poderá sofrer com a nova versão da PAC, na medida que esta deverá canalizar mais dinheiro para os países do Leste, que entraram na União em 2004.