Última hora

Última hora

Estudantes na rua e habitantes "para a rua" em Barcelona

Em leitura:

Estudantes na rua e habitantes "para a rua" em Barcelona

Tamanho do texto Aa Aa

“Salvem a universidade pública” e “não, não à privatização” eram algumas das palavras de ordem dos milhares de estudantes catalães que esta quinta-feira se manifestaram, em Barcelona.
Aproveitaram a reunião do Banco Central Europeu, em Barcelona para protestarem contra o aumento das propinas, o que levou a polícia a reforçar os efetivos. Mas os manifestantes não se deixam intimidar. “Não podemos ter medo de toda esta polícia que está aqui, como se vê, e temos de continuar a manifestar-nos paralelamente às cimeiras do Banco Central ou do que seja”, explica Nicky Berenguer, um dos manifestantes.
Aproveitaram a reunião do Banco Central Europeu, em Barcelona para protestarem contra o aumento das propinas, o que levou a polícia a reforçar os efetivos. Mas os manifestantes não se deixam intimidar. “Não podemos ter medo de toda esta polícia que está aqui, como se vê, e temos de continuar a manifestar-nos paralelamente às cimeiras do Banco Central ou do que seja”, explica Nicky Berenguer, um dos manifestantes.

A manifestação dos estudantes é apenas uma consequência da crise que se vive em Espanha. Outra consequência são os despejos de quem já não pode pagar as prestações das casas. É o caso de Bárbara Castillo, que vive em Santa Coloma de Gramanet, perto de Barcelona.

Dezenas de pessoas reuniram-se no bairro, em sinal de protesto e de solidariedade. Entre elas, Jordi Garcia, que denuncia: “Os grandes causadores da crise não foram processados; reúnem-se para continuarem a agravar a crise e a colocarem-na em cima dos ombros de gente como a Bárbara, que está prestes a ser despejada.”

Bárbara não é caso único. Todos os dias, em Espanha, dezenas de pessoas que perderam o emprego e não conseguem continuar a pagar as prestações das casas recebem uma ordem de despejo.