Última hora

Última hora

Gregos impelidos para os extremismos

Em leitura:

Gregos impelidos para os extremismos

Tamanho do texto Aa Aa

É a imagem da esquerda vitoriosa, a que catalizou a revolta dos gregos, a que rejeita, em bloco, as diretivas de Bruxelas e a austeridade imposta aos gregos.A esquerda que empurrou o socialista Pasok para o terceiro lugar, depois de 30 anos de poder.
Alexis Tsipras, 37 anos conseguiu ganhar a incrível aposta e fez da sua coligação de esquerda radical, a segunda força do país.

Recebido ontem pelo líder da Nova Democracia, vencedor das eleições por apenas dois pontos, Tsipras recusou qualquer aliança com a direita, mas tudo indica que também não vai aceitar acordos com a esquerda, pois ambos apoiam o plano de resgate.
Foi muito claro depois da reunião:

“A assinatura e o compromisso a favor do plano de resgate não são uma salvação, mas uma tragédia para o povo. Entendemos perfeitamente as dificuldades que vive o país, mas ao mesmo tempo, esta decisão dos eleitores cria possibilidades para ações radicalmente diferentes”.

O jovem engenheiro conseguiu convencer os eleitores de um modo apelativo: “basta de austeridade, há outros caminhos”.

Tsipras recusa os acordos feitos com a UE e com o FMI, mas defende a permanência da Grécia na zona euro.

Tem uma mensagem atrativa para os jovens e, em geral, para as zonas urbanas. Parte do sucesso deve-se também a que soube rodear-se de grandes figuras do país.

A segunda grande surpresa das eleições chegou pela mão de Nikolaos Michaloliakos, a Aurora Dourada, partido neonazi que conseguiu representação parlamentar captando os votos da frustração.

A Europa e a oposição categórica ao plano de resgate que asfixia a população foram os principais temas da sua campanha. Para acabar com o fluxo de imigrantes, defende que se deve minar a fronteira greco -turca.

Nikolaos Michaloliakos:

“- Todos os imigrantes ilegais, todos, devem partir. Fora do meu país, fora da minha casa”

Criado nos anos 80, até agora o partido não era mais do que um grupúsculo neonazi marginal. Tem uma bandeira vermelha, enfeitada com um símbolo grego que recorda a cruz gamada, com uma inscrição: Grécia para os gregos.

A Aurora Dourada conquistou 7% do eleitorado, principalmente dos bairros mais desfavorecidos. Os militantes fazem arruadas, acompanham os idosos ou mulheres que têm medo de sair sozinhos e distribuem alimentos às famílias mais necessitadas.

O partido conta a própria máquina de propaganda, com uma editora e um jornal.