Última hora

Última hora

O último ato de Nicolas Sarkozy

Em leitura:

O último ato de Nicolas Sarkozy

Tamanho do texto Aa Aa

A imagem é inédita: o presidente cessante e o futuro presidente da França depositam juntos uma palma de flores na sepultura do soldado desconhecido.

Neste feriado francês de 8 de maio, que marca a Vitória de 1945 na Segunda Guerra Mundial, o ainda presidente francês convidou o seu sucessor para as cerimónias oficiais. François Hollande só toma posse a 15 de maio, nove dias depois de ter sido eleito.

Hoje assiste-se a “uma bela imagem da democracia francesa, a alternância realizada”, nas palavras de Pierre Moscovici, um dos socialistas próximos de François Hollande.

Uma opinião partilhada por um cidadão francês, que se deslocou ao Arco do Triunfo para assistir à cerimónia: “É a democracia, é a reconciliação. É preciso esquecer. Isto é a França.” Outro homem diz: “Nunca tinha vindo à cerimónia do 8 de maio. Desta vez, vim excecionalmente para ver François Hollande.” Uma senhora veio à cerimónia pela razão contrária: “Estamos todos unidos neste 8 de maio. Viemos porque é também a ocasião de ver, uma última vez, o nosso presidente ainda em funções e, assim, prestar-lhe homenagem uma última vez.”

Este foi certamente o último ato público de Nicolas Sarkozy. E o primeiro de François Hollande, que tem já na agenda de maio uma cimeira extraordinária da União Europeia para discutir o crescimento económico.

Nicolas Sarkozy, por seu lado, prometeu dizer adeus à política partidária.