Última hora

Última hora

Campanha eleitoral para as presidenciais nos Estados Unidos

Em leitura:

Campanha eleitoral para as presidenciais nos Estados Unidos

Tamanho do texto Aa Aa

À frente na corrida à Casa Branca, seis meses antes das eleições Barack Obama conseguiu 7 pontos ao rival republicano, graças aos eleitores independentes e a um ligeiro otimismo sobre a economia norte-americana. Mas a distância diminui dois pontos quando se trata da capacidade de Obama e do adversário para criarem empregos.

Sem um balanço económico atrativo como suporte, o presidente escolheu como slogan “ir em frente” para impedir que Romney leve o país à situação de antes da crise que originou a recessão.

Barack Obama:

“- Temos de avançar para o futuro que imaginamos em 2008, onde todos tenham uma oportunidade justa, cada um receba a parte que lhe cabe e todos joguem com as mesmas regras. É o que importa nestas eleições”

O calcanhar de Aquiles em Obama é o emprego. Apesar do índice de desemprego ter descido para 8,1% em abril, uma baixa considerável em relação aos 10% atingidos nos momentos mais duros da crise, continua longe dos 5% do início de 2008.
O responsável de um centro de desemprego de Newark, onde a taxa ronda os 15%, confirma a leve melhoria.

Morris Murray:
“- Aqui, no terreno, vemos uma média diária de 300 ou 400 pessoas, mas também há muita gente que vem participar que encontrou trabalho. Não é como no pior momento da recessão, em que não havia mesmo nada.”

Mitt Romney que tem três pontos de vantagem em relação ao presidente, em termos de confiança na gestão da economia, nega a descida da taxa de desemprego:

Mitt Romney, candidato republicano:

“- A razão pela qual o desemprego baixou de 8,2 para 8,1% não é porque se tenham criado muitos empregos, de facto, só se criaram 115 mil postos. A razão dessa diminuição é que, cerca de 340.000 pessoas deixaram de fazer parte da força de trabalho. Muitos cansaram-se de não encontrar e deixaram de procurar”

O presidente contra-atacou enviando ao Congresso uma série de propostas para estimular a economia, que vão desde facilitar os investimentos em energias verdes até à imposição de entraves fiscais às deslocalizações passando por medidas para ajudar os credores imobiliários com dificuldades.