Última hora

Última hora

Abstenção e ceticismo marcam legislativas argelinas

Em leitura:

Abstenção e ceticismo marcam legislativas argelinas

Tamanho do texto Aa Aa

As eleições legislativas argelinas ficaram marcadas por uma elevada abstenção. Uma indicação do ceticismo da população quanto à vontade do regime de avançar com as reformas prometidas. Muitos eleitores denunciam um Parlamento “sem poderes”.

As eleições foram anunciadas há um ano pelo presidente Abdelaziz Bouteflika, quando a “Primavera Árabe” dava sinais de se alastrar ao país. O chefe de Estado prometeu também “reforçar a democracia representativa”.

Pela primeira vez, desde a independência, os partidos islamitas moderados deverão dominar a Assembleia nacional, seguindo a tendência observada nos países vizinhos.

Na falta de sondagens à boca das urnas, os primeiros resultados oficiais das eleições desta quinta-feira só deverão ser conhecidos hoje.

Segundo o Ministério do Interior, a taxa de participação deverá situar-se acima dos 35 por cento. Um sucesso para o poder, que fala numa participação superior às eleições de 2007, mas que não esconde uma elevada abstenção.