Última hora

Última hora

Cannes volta a ser a capital do cinema

Em leitura:

Cannes volta a ser a capital do cinema

Tamanho do texto Aa Aa

Bérénice Bejo a atriz franco-argentina, primeira figura de “O Artista”, realizado pelo seu marido Michel Hazanavicius – foi ela a mestre da cerimónia de abertura do Festival de Cimena de Cannes.

Perto, estava o realizador italiano, Nanni Moretti que vai presidir ao juri.

Morreti louvou a França e o Festival:

“Obrigado ao Festival de Cannes, obrigado a este país que, contrariamente a outros, reserva sempre um papel importante ao cinema, na sociedade. Obrigado e bom festival para vocês e bom trabalho para nós”.

Moretti que acusou Berlusconni de destruir a produção cultural, em Itália.

“Moonrise Kingdon”, de Wes Anderson, concorrente à Palma de Ouro, foi o filme escolhido, para a abertura.

Um elenco de luxo para contar a estória de um amor juvenil, em meados dos anos 60. Tomados pela paixão, dois jovens aproveitam uma inesperada tempestade de verão, para uma fuga.
Mas há mais 21 obras na corrida à palma de ouro.
“On the Road”, do brasileiro Walter Sales promete dar luta. São dois homens e uma mulher na estrada, numa relação cheia de equívocos. Um deles é escritor, o outro acabou de sair da cadeia e a mulher é mestre na arte da sedução.
Produzido pelo português Paulo Branco está também em Cannes “Cosmopolis”, de David Cronenberg.

Procura antecipar uma questão: como será Nova York, depois da queda do capitalismo.
Cannes volta a ser a capital do cinema. O italiano Nanni Moretti preside ao juri que vai apreciar 22 filmes