This content is not available in your region

Facebook: tão global, tão diferente

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Facebook: tão global, tão diferente

<p>901 milhões de utilizadores ativos no final de março, ou seja, metade dos cibernautas do planeta vão, pelo menos uma vez por mês ao Facebook. É a rede social mais popular.</p> <p>Grace Lugo: </p> <p>“- Gosto, mas pode ser aditivo, claro que sim. Pode ser porque queremos saber tudo o que passa, ver os perfis, as actualizações”</p> Nicole Tucker: <p>“- Vou ao facebook todos os dias, pelo menos dez vezes. Uso-o principalmente para os negócios, mas também para coisas pessoais.”</p> <p>Alexei Tokonshkurov:</p> <p>“- Passo pelo menos duas horas ao dia FB. Comunico com os meus amigos em qualquer país. Estou no chat com amigos russos e com os meus pais”</p> <p>Alan Stern:</p> <p>“- Converteu-se numa rede social enorme. Eu uso para os negócios e e para entrar em contacto com as pessoas. É como a mão direita, é muito útil.”</p> <p>Mark Zuckerberg é o responsável por esta prática invenção. Estar ligado aos outros permanentemente é tão primário que ninguém pensou nisso antes. Partilhar novidades empresariais e pessoais revelou-se uma invenção que vale ouro.<br /> Em 2004, aos 19 anos nos bancos da Universidade de Harvard, lançou o Facebook, para os estudantes se manterem em linha. O sucesso tornou-se um fenómeno fulgurante.</p> <p>Em 2010 foi eleito homem do ano pela revista Time, e oito anos depois do lançamento do FB, Zuckerberg, que acaba de fazer 28 anos, converteu-se em director geral multimillonário, que mantém o controle da criação e que cultiva a diferença…</p> <p>Katherine Phillips, Columbia Business School:</p> <p>“- Mark Zuckerberg é um jovem <span class="caps">CEO</span> , e isso é muito diferente em relação ao que estamos habituados. Sai do molde, não corresponde às expectativas de como deve ser um líder”</p> <p>Mas o sucesso planetário do FB também tem falhas. O espaço da rede social é vendido aos anunciantes, mas os utilizadores só consultam um em cada dois mil anúncios.</p> <p>A General Motors decidiu não pagar mais anúncios no FB.</p> <p>Matt Donovan, vice-president da McCann New York, explica porquê:</p> <p>“- É um eficaz mas recente meio. A rede social tem apenas cinco a seis anos, depende da data que se considera inicial, e as grandes empresas ainda estão a tentar perceber como interessar a comunidade, ligar-se a ela e comprometê-la, ao mesmo tempo que atingem os próprios objetivos publicitários”</p> <p>Questões para o futuro, porque, até agora, o faceboo já transformou em milionários mil empregados da sede de Pablo Alto.</p>