Última hora

Última hora

Itália: Foi a máfia?

Em leitura:

Itália: Foi a máfia?

Tamanho do texto Aa Aa

Uma adolesceste de 16 anos morreu e pelo menos outros 5 ficaram feridos, na sequência da explosão de duas bombas, esta manhã, em Brindisi, sul de Itália.

Dois engenhos explosivos, feitos com botijas de gás explodiram pelas 7 e 45, hora local em frente da escola profissional Francesca Morvillo Falcone.

A escola recebeu o nome da mulher do célebre juiz antimáfia Giovanni Falcone.

“A outra rapariga levantou-se e começou a gritar pela Melissa pois, evidentemente, compreendeu que a rapariga que estava ao seu lado não tinha sobrevivido,” confirma esta testemunha.

“Muitos jovens vivem fora de Brindisi e chegam aqui muito cedo. Os autocarros deixam-nos perto da escola e depois eles caminham para as aulas, muito antes de a campainha tocar,” constata este jovem.

Brindisi está situada na região de Puglia, feudo do clã da máfia conhecido por “Sacra Corona Unita.”

Para o presidente da câmara municipal, Mimmo Consales, o atentado tem uma forte carga simbólica: “Isto acontece poucos dias antes do aniversário dos assassinatos na Sicília e, acima de tudo, acontece perto da visita do chefe das forças antimáfia desta região. Pode compreender o simbolismo disto e o que significa, mas no momento, a principal preocupação é com a saúde
dos jovens “.

A ministra italiana do Interior afirmou que as autoridades estão a investigar vários motivos possíveis para o atentado, ressalvando que este não é o método habitual da máfia.