Fechar
Login
Por favor, introduza os seus dados de login

Skip to main content

Mais de uma centena de réplicas atingiram, durante a noite a região de Emília-Romana, no norte de Itália, depois do sismo domingo.

Com magnitude e 6, na escala de Richter, o terramoto provocou sete mortos, mais de 50 feridos e reduziu a escombros monumentos importantes da região.

Mais de 4 mil pessoas ficaram desalojadas e tiveram de passar a noite em tendas improvisadas, centros de emergência ou nos carros.

A destruição está bem presente na memória, como evidencia esta habitante de Sant’Agostina. “As fábricas foram muito atingidas, muitas desabaram. A minha também. Desabou por completo, já não existe. Trabalhei lá durante 20 anos.”

Muitos chegaram a temer pela própria vida.
“Não consegui sair da cama por causa dos tremores. A certa altura eu, o meu marido e o meu filho estávamos deitados na mesma cama e dissemos que deixaríamos este mundo juntos,” conta esta italiana.
O primeiro-ministro italiano regressou dos Estados Unidos, onde participava na reunião do G8 e na Cimeira da NATO. Mário Monti garantiu, já, que o governo vai declarar o estado de emergência na região afetada pelo terremoto.

Monti quer garantir, assim, a rápida alocação de dinheiro para recuperar a região de Emília-Romana.

Copyright © 2014 euronews

Mais informação sobre