Última hora

Última hora

Novo governo russo aprovado por Putin

Em leitura:

Novo governo russo aprovado por Putin

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da Rússia aprovou a composição do novo governo de Moscovo. O executivo volta a ser liderado pelo primeiro-ministro Dmitri Medvedev.

Mas este é um dos poucos nomes que se mantém no governo: os ministros dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov; do Desporto e Juventude, Vitali Mutkó; Justiça, Aleksandr Konoválov, e Finanças, Antón Siluánov; na Defesa, Anatoli Serdiukov. Aliás, a grande surpresa foi a permanência de Serdiukov, já que muitos altos cargos militares tinham pedido a demissão do ministro da Defesa.

75% dos titulares das pastas governamentais são então caras novas. Maxim Topilin, vai estar à frente de um novo Ministério, o de Trabalho e Desenvolvimento Social; Nikolai Fiódorov, na Agricultura; Nikolai Nikíforov, nas Comunicações; Sergei Donskói, tem a pasta dos Recursos Naturais; Dmitri Livánov, Educação e Ciências; Oleg Govorún, Desenvolvimento Regional, e Vladimir Medinski é o novo ministro da Cultura. Andrei Beloúsov lidera a pasta da Economia e Vladimir Kolokóltsev o Interior. O Ministério das Situações de Emergência é ocupado por Vladimir Puchkov. Noutros dois novos Ministérios, nas Relações com o Governo é liderado por Mikhail Abízov, e Desenvolvimento do Extremo Oriente, que fica nas mãos de Víctor Isháev. O Comércio e Indústria será dirigido por Denís Mantúrov; Energia por Aleksandr Nóvak; Transporte por Maxim Sokolov, e Saúde, por Verónica Skvortsova.

Num país ainda muito conservador em determinadas matérias, destaque para a chamada de duas mulheres para integrar o novo governo. A ministra da Saúde e uma vice-Primeira-ministra.

No total, o governo russo terá 21 ministros, 7 vice-primeiros-ministros e o primeiro ministro Dmitri Medvedev.
Recorde-se que Moscovo foi palco de muitos protestos logo após a reeleição de Vladimir Putin no início deste mês.
Milhares de pessoas, incentivadas pelos líderes da oposição, marcharam pelas ruas contestando as políticas de Putin e a falta de transparência no país.