Última hora

Última hora

Lada Classic: o fim do modelo soviético

Em leitura:

Lada Classic: o fim do modelo soviético

Tamanho do texto Aa Aa

É o fim da estrada para o modelo comunista, de automóveis, Lada Classic.

O construtor russo AvtoVAZ pôs fim à produção da viatura de baixo preço da era soviética que, por apenas 2800 euros, foi durante quatro décadas, o símbolo da revolução do proletariado nas estradas no leste da Europa.

“O que é atrativo neste carro é o preço, em especial, no mercado de segunda mão. É muito mais barato que um carro usado de ocasião. Comprei-o em perfeito estado e pelo mesmo preço nunca compraria um carro importado em tão bom estado”.

Inspirado no Fiat 124, o Lada Classic começou a ser produzido nos anos 70 em parceria com a empresa italiana. Mas se o baixo preço, fácil manutenção e durabilidade do automóvel eram motivo de orgulho, a marca tem resistido com dificuldade à queda da União Soviética, menos, é claro, para nostálgicos e colecionadores.

“Todos os carros são iguais. Olhe para eles, todos iguais à excepção dos mais caros, mas que são também uma massa anónima, e eu tenho um carro único, que não passa desapercebido na estrada ou num parque de estacionamento”.

O fim da produção dos modelos Lada Classic ocorre num momento em que a construtora, detida hoje pela Nissan/Renault se enfrenta a uma queda de 15% nas vendas.

Longe da fiabilidade do velho modelo soviético, cerca de 100 mil modelos Kalina, promovidos pelo próprio Putin, foram retirados do mercado devido a várias falhas mecânicas.

Distante dos tempos da guerra fria, o velho Lada também já não consegue concorrer com as novas viaturas vindas do ocidente.

O capitalismo matou o velho modelo soviético.