Última hora

Última hora

Bicicletas e joias de âmbar, em Kalinegrado

Em leitura:

Bicicletas e joias de âmbar, em Kalinegrado

Tamanho do texto Aa Aa

Este é o canto mais oeste da Rússia e um grande lugar para passeios de bicicleta. A região de Kalinegrado.

Isolada do resto do país, a região de Kalinegrado é a mais pequena, a mais jovem e a mais verde de todo o território da Rússia.

A privilegiada localização e o clima ameno fazem da bicicleta um popular meio de transporte, na cidade e nas zonas suburbanas. São esses os factores enfatizados por Gennady Mikhailov, da federação local de ciclismo:

“Nós estamos a 30 minutos do mar, o local é favorável ao meio ambiente, com ar puro, árvores verdes e terreno interessante. E todas as distâncias, em Kalinegrado são curtas. Pode-se percorrer toda a cidade em hora e meia”.

São poucos os exemplos que escapam ao estilo arquitetónico original de Koenigsberg, o enclave alemão, que passou para a soberania da União Soviética, depois da II Guerra Mundial.

Os ataques aéreos repentinos, das forças aliadas, destruiram o centro histórico, antes de a cidade ser tomada, pelo exército soviético.

Kalinegrado: uma Rússia, fora da Rússia!

  • A região de Kalinegrado é cercada por países da União Europeia e não tem continuidade territorial, com a Federação Russa
  • Estende-se por 15.100 quilómetros quadrados, com uma população de 941.873 habitantes
  • A distância até à fronteira polaca é de 35 quilómetros e, para chegar à Lituânia, basta andar 70 quilómetros. Em contrapartida, Moscovo está a 1289 quilómetros
  • A região de Kalinegrado é o único território russo, na costa do Báltico
  • As cegonhas, a enguia do Báltico e o âmbar são os símbolos não oficiais da região

Um dos poucos edifícios sobreviventes é a catedral medieval. Concertos diários, de orgão, atraem visitantes russos e estrangeiros. O concertista principal diz que a cidade, culturalmente, é diferente de toda a Rússia:

“Kalinegrado é especial, comparada com outros lugares da Rússia, especialmente, por estar muito perto da Europa. Os grupos de turistas europeus trazem uma forte influência cultural que os locals observam e absorvem para as suas vidas”.

No porto da cidade, os velhos edifícios industriais são ocupados, agora, pelos artistas locais, que trabalham com os recursos naturais de Kalinegrado. O mais conhecido é o âmbar.

Este resíduo orgânico que não é mais que resina fossilizada do pinheiro, diverge no tamanho, na cor e na transparência.

Os joalheiros dizem que o âmbar é muito diferente das outras pedras. Origináriro de plantas vivas, vê-se como ele preservou a vida e a luz solar no seu interior.

O joalheiro ambarino, Alexander Yuritsin, realça o facto de se estar, perante uma pedra, inofensiva, para a saúde:

“O âmbar é bom para a saúde. Quando se corta o granito, tem de se usar uma máscara protetora e óculos de proteção. Mas quando se trabalha com o âmbar, não são necessárias essas precauções. Faz-se apenas a obra, nova e bonita. Como eu”.

Pequenos insetos, presos aos líquidos da resina, há dezenas de milhões de anos, imortalizaram a joia ambarina.

Um curto paseio ao longo de Kalinegrado e chega-se à costa russa do Báltico. As peças de âmbar vindas do fundo do mar são moldadas, muitas vezes, pelas ondas, nas praias de areia branca, onde podem ser apanhadas à mão.

Mas a maior parte do âmbar cru vem do vasto exterior da pedreira de Yantarny.

Elena Platunova é guia tuística, nesta zona:

“Atrás de mim, pode ver-se o único depósito natural do mundo de âmbar. A pedreira tem 50 metros de profundidade e a extração industrial aqui, na península de Sambia, no Mar Báltico, produz mais de 90 por cento, da recolha global de àmbar cru”.

Uma pedreira velha, desativada nos anos 70, foi, naturalmente, inundada e transformou-se no lago ambarino, um local atraente, para mergulhadores.

O lago, com 30 metros de profundidade, é um belo decór para cinema, sobretudo, para filmes de ação. Fuselagens de avião, caixas de munições e outros adereços estão dispersos, pelo fundo do lago.

É isto a região de Kalinegrado. Nas próximas duas edições, vamos concluir a nossa viagem à volta da Rússia, em Moscovo, a capital.