Última hora

Última hora

Egito: Irmandade Muçulmana reclama vitória

Em leitura:

Egito: Irmandade Muçulmana reclama vitória

Tamanho do texto Aa Aa

Os resultados oficiais das presidenciais egípcias só vão ser conhecidos esta quinta-feira, mas a Irmandade Muçulmana já reclama vitória. Um anúncio festejado por milhares de pessoas na praça Tahrir.

O campo do candidato Ahmad Shaffik, último primeiro-ministro de Hosni Mubarak fala de fraude eleitoral e de uma falsa vitória.

Nas ruas Mohammed Morsi é já visto como o novo presidente do país e ninguém esconde a razão de tanta alegria:

“Nem todas as pessoas apoiam a Irmandade Muçulmana, mas estamos contentes pelo facto da revolução estar a dar o primeiro passo que é a unidade em volta de Morsi” afirma um homem.

Outro refere: “Mohammed Morsi é o presidente do Egito. É o líder da revolução, uma revolução que tem finalmente um líder que podemos seguir.”

“Queria que Shaffik tivesse ganho pela sua cultura e qualidades, mas agora que temos Morsi acabou.
O que podemos fazer?” pergunta uma mulher.

Os militares que lideram o país desde a queda de Hosni Mubarak reforçaram, entretanto, o poder legislativo, mas prometeram passar o testemunho ao novo chefe de Estado ainda este mês.

Euronews: “Nem todos estão aqui para festejar a vitória de Morsi. A maioria está, sobretudo, a celebrar a derrota de Shaffik que afasta o pesadelo do regresso ao antigo regime, ainda que o conselho militar continue a ser o verdadeiro líder do país.