Última hora

Última hora

Campanha eleitoral na Líbia

Em leitura:

Campanha eleitoral na Líbia

Tamanho do texto Aa Aa

Arrancou a campanha para as primeiras eleições na Líbia, depois de mais de 40 anos de ditadura.
Desde a revolução que começou no ano passado e que levou à queda do regime de Kadhafi, o país tem sido governado pelo Conselho Nacional de Transição.
Agora As eleições estão marcadas para dia 7 de Julho. Uma experiência nova para a maioria dos líbios, que lembram que “as ordens costumavam vir de cima, sem discussão, tudo era fictício. Mas as eleições que agora vão acontecer são verdadeiras, as pessoas vão poder escolher quem realmente querem.”

Há 2501 independentes e 1206 candidatos de 142 partidos. De acordo com a comissão eleitoral líbia em disputa estão 200 lugares no parlamento: 80 estão reservados aos candidatos partidários e os restantes aos independentes. Cerca de 80 por cento dos líbios, 2,7 milhões de pessoas, registaram-se nos cadeiros eleitorais em maio.

Noree Khalefa Abdel Salam é um dos muitos candidatos e acredita que “este processo eleitoral é uma experiência única para os líbios, tanto candidatos como eleitores, depois de 42 anos de injustiça e tirania. Espero que corra de forma tranquila.”

Estas eleições estão a ser acompanhadas pela missão da ONU no país, que acredita que possam ainda existir alguns focos de instabilidade durante a campanha, o que acaba por ser normal, tendo em conta que são as primeiras depois de mais de mais de 40 anos de regime de Muammar Khadafi. O ditador, que foi morto em Outubro do ano passado, sempre controlou todos os escrutínios.