Última hora

Última hora

Alemanha reunificada reergueu-se como Fénix

Em leitura:

Alemanha reunificada reergueu-se como Fénix

Tamanho do texto Aa Aa

Na época da integração da ex-RDA, a Alemanha era “o doente de Europa”, um país vetusto e em ruínas.

Como se a Alemanha ocidental se tivesse fundido com a Grécia atual. Agora, os difíceis anos da reunificação são água passadas e a Alemanha conseguiu reerguer-se. Quarta potência mundial, o país resiste face à crise e apresenta-se como exemplo. Mas qual é o segredo?

Para começar, uma economia funcional e competitiva, impulsionada pela capacidade das empresas em conquistar mercados externos e principalmente, manter-se neles.

Nos últimos dez anos, Alemanha duplicou as exportações, que hoje por hoje se elevam a mil milhões de euros.
Mesmo que durante muito tempo fosse o principal exportador à escala mundial, a China acaba de arrebatar-lhe o título.
A qualidade dos produtos alemães contribui para a força da economia.

Alguns setores da indústria são especialmente potentes, como a engenharia, a indústria automóvel e as energias renováveis. O país produz três quartos da energia solar dos 27, de facto está na segunda posição mundial em matéria de energia solar.

O custo da mão de obra, dos mais baixos da zona euro, continua inalterável há 10 anos.
Outro dado positivo é a descida do desemprego, que passou de 12%, em 2005, para 6,7%, este ano.

Mesmo assim, não se pode falar de milagre, mas de política forte no sentido da retoma do emprego, destinada a aliviar as despesas do Estado.
Na Alemanha não há salário mínimo, há incitação ao emprego, mas esta política tem um lado negativo.

20% dos trabalhadores ganham menos de 10 euros por hora.
O salário médio, na Alemanha, desceu 4,2% em dez anos.
O empobrecimento da sociedade é a face menos visível do modelo alemão.
Mas o principal ponto fraco da Alemanha é o envelhecimento da população, que diminuiu 0,5% numa década.
As alemãs têm uma média de 1,4 filhos, e os maiores de 65 representam 20% da população. Em 2060, serão o 34%.
No entanto, muitos seniores em idade de aposentação preferem continuar a trabalhar.