Última hora

Última hora

Síria: Human Rights Watch denuncia a existência de centros de tortura

Em leitura:

Síria: Human Rights Watch denuncia a existência de centros de tortura

Tamanho do texto Aa Aa

A Human Rights Watch denunciou, esta terça-feira, a existência de 27 centros de tortura na Síria onde são, alegadamente, praticados “crimes contra a humanidade” de modo “sistemático”.

No relatório “Arquipélago de tortura: Detenções arbitrárias, torturas e desaparecimentos forçados nas prisões desde março de 2011”, a organização diz existirem centros de detenção em Damasco, Idlib, Latakia, Homs, Garaa e Aleppo.

“Hossam”, nome fictício, tem 13 anos e foi interrogado pelas forças do regime. Conta que na segunda vez que o levaram, “começaram as perguntas com choques elétricos”, que desmaiou e que quando acordou, “estava sozinho numa cela”. Na terceira vez, arrancaram-lhe “as unhas com um alicate ou com algo parecido com uma chave de fendas.”

A organização divulgou testemunhos em vídeo de ex-presos e descrições das vítimas dos maus tratos a que foram sujeitos, como espancamentos,
sevícias sexuais, humilhações e choques elétricos.

Este desertor das forças de segurança, afirma que “os militares tinham medo uns dos outros. Nas manifestações, todas as forças de segurança estavam a observar-se mutuamente. Se uma ordem fosse recusada por um soldado, fosse de que força fosse, a sentença era a morte.”

A Human Rights Watch apelou ao Conselho de Segurança da ONU para que envie ao Tribunal Penal Internacional o caso sírio e que adote sanções contra o regime de Bashar al-Assad.