Última hora

Última hora

Plantas que curam

Em leitura:

Plantas que curam

Tamanho do texto Aa Aa

Jean-Paul Fevre, Diretor da Plant Advanced Technologies:

“Produzimos moléculas vegetais que seriam muito difíceis de criar de outra forma.

“Estas moléculas são muito úteis para a indústria cosmética e farmacêutica.”

Moléculas valiosas devido às propriedades invulgares extraídas de plantas raras. É o mundo da tecnologia avançada das plantas. Esta empresa francesa é pioneira na denominada “tecnologia de extração”. Plantas que crescem sem terra cujas raízes fornecem moléculas valiosas.

Fréderic Bourgaud, Diretor de Pesquisa da Plant Advanced Technologies:

“As plantas produzem naturalmente substâncias ativas nas raízes que lhes permitam defender-se contra potenciais agressores no meio ambiente.
Colocamos as raízes num solvente que as torna mais permeáveis e assim, conseguimos com que libertem as moléculas.”

Os cientistas identificaram uma variedade de substâncias pouco habituais que podem ser utilizadas na medicina.

Fréderic Bourgaud: “esta é uma planta mexicana que produz uma molécula útil no tratamento da osteoporose em mulheres. Ali temos duas plantas que produzem um anti-inflamatório natural. Esta é carnívora que nos pode ajudar a produzir as moléculas essenciais no tratamento de alguns tipos de cancro e no tratamento de uma doença genética rara.”

Ao abrir a despensa encontram-se centenas de litros de antioxidantes naturais prontos para entrega. Alimentando as plantas com uma dieta especifica de nutrientes estas desenvolvem raízes maiores e produzem moléculas mais úteis.

Fréderic Bourgaud:“numa área relativamente pequena podemos produzir vários quilos de substâncias, dezenas de quilos, de acordo com as necessidades do mercado.”

A estufa de teste está cheia de plantas raras que estão a ser cultivadas e testadas para novos medicamentos. Há muito espaço para o crescimento.

Jean-Paul Fevre: “uma grande parte de moléculas que se podem produzir em plantas raras e protegidas ainda estão por descobrir, ou aquelas cujo crescimento é muito lento. Por isso, deve-se criar um procedimento que não destrua o recurso vegetal.”

Links:
SMARTCELL http://www.smart-cell.org/
PAT http://www.patsas.com/