Última hora

Última hora

Competir em Londres de estômago vazio

Em leitura:

Competir em Londres de estômago vazio

Competir em Londres de estômago vazio
Tamanho do texto Aa Aa

Os Jogos Olímpicos representam um dos pontos mais altos na carreira de qualquer desportista e não há quem não se queira apresentar ao mais alto nível.

Os atletas muçulmanos não são exceção mas em Londres enfrentam um desafio extra: o Ramadão e o seu temível jejum… se for seguido à risca.
Mohamed Sbihi, que irá representar a equipa de remo da Grã-Bretanha apesar de ter nascido em Marrocos, é o exemplo de um atleta muçulmano que decidiu ignorar o jejum, uma decisão que garante ter tomado em família e sem pressão dos treinadores.

De acordo com os preceitos da sua religião, os atletas muçulmanos não podem comer nem beber entre o nascer e o pôr-do-sol… e há quem garanta que isso não afeta a sua performance desportiva.
Para Ossemah Masoud Alshinqiti, da equipa paralímpica da Arábia Saudita e recordista mundial do triplo salto, competir durante o Ramadão já se tornou algo banal e é o próprio que diz não sentir qualquer problema em conciliar jejum e desporto.
O dilema irá afetar cerca de três mil atletas na capital inglesa e não falta quem tema pela sua saúde. Ainda assim há quem defenda que não se deve misturar desporto e religião.

É o caso de Abu Rmeileh, judoca palestiniano que defende que o desporto não passa disso mesmo, independentemente da altura do ano em que é praticado.

Os caprichos do calendário fizeram coincidir o Ramadão com o maior evento desportivo do planeta. Agora veremos se a fé é suficiente para garantir medalhas.