Última hora

Última hora

Clinton reúne-se com novo presidente "islamita" do Egito

Em leitura:

Clinton reúne-se com novo presidente "islamita" do Egito

Tamanho do texto Aa Aa

Depois de terem apoiado o regime de Mubarak durante 30 anos, os Estados Unidos quiseram ser os primeiros a felicitar, em pessoa, o novo presidente egípcio.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, reuniu-se este sábado no Cairo com Mohamed Mursi, para insistir na saída de cena dos militares do poder político.

“Comparado com o que estamos a assistir na Síria, onde os militares estão a assassinar o seu próprio povo, os soldados egípcios protegeram o país e asseguraram um processo eleitoral livre e justo. Mas ainda resta muito por fazer. Penso que as decisões sobre o parlamento e a futura constituição cabem apenas ao povo egípcio”.

Clinton deverá reunir-se amanhã com o marechal Tantawi, o antigo líder do conselho militar transitório, num momento em que o novo presidente deverá aprovar um decreto que põe fim à presença dos militares na vida política.

Na terça-feira passada o tribunal constitucional tinha anulado o primeiro decreto presidencial que cancelava a dissolução do parlamento, ordenada pelo conselho militar, em junho.

Uma tensão que se soma ao descontentamento de parte dos revolucionários egípcios com a chegada ao poder da irmandade muçulmana e que se manifestaram hoje no cairo contra o que chamam de “aliança entre islamitas e americanos”.

Reunido com Clinton, Mursi assegurou que vai respeitar o acordo de paz com Israel, uma das principais inquietações de Washington após a vitória do chefe de estado islamita.

Em troca do respeito pelos acordos de paz, Washington paga anualmente uma subvenção de cerca de 1,55 mil milhões de dólares ao exército egípcio.