Última hora

Última hora

Espanha: Confrontos em Madrid

Em leitura:

Espanha: Confrontos em Madrid

Tamanho do texto Aa Aa

Em Madrid, durante a noite de sexta-feira para sábado os protestos contra o novo plano de ajustamento aprovado pelo Governo saldaram-se com um número indeterminado de feridos e de detidos.

Os confrontos verificaram-se em pelo menos três pontos da capital espanhola: em frente às sedes do PP e do PSOE e nas imediações do Congresso dos Deputados.

“Um detido foi incrivelmente espancado por um dos membros da polícia antimotim que o socou na cara. A violência foi tal que um dos polícias deixou cair o capacete”, disse um dos manifestantes.

Vários outros protestos, incluindo em frente ao Palácio da Moncloa, sede do Governo, marcaram a o dia de sexta-feira, que coincidiu com a reunião do Conselho de Ministros que aprovou grande parte de um plano de austeridade orçado em 65 mil milhões de euros para os próximos dois anos e meio.

Os protestos, sobretudo da função pública, repetiram-se por outros pontos da geografia espanhola desde que quarta-feira Mariano Rajoy anunciou o plano de ajuste que inclui o aumento do IVA, reduções no subsídio de desemprego e o corte do subsídio de natal.

Segundo um comunicado da Casa Real, o rei Juan Carlos considerou que pensa “particularmente nos jovens e em quem sofre diariamente o mal-estar pela falta de emprego e perspetivas de futuro”.

“O pior que pode acontecer à economia espanhola e que se veja que as finanças públicas são insustentáveis. A recessão seria muito mais profunda do que a que temos atualmente”; afirmou o ministro da Finanças espanhol.

A Espanha tem uma das maiores taxas de desemprego da Europa que afeta cerca de 52 por cento dos jovens.