Última hora

Última hora

França: François Hollande retoma as entrevistas do 14 de julho

Em leitura:

França: François Hollande retoma as entrevistas do 14 de julho

Tamanho do texto Aa Aa

Nas primeiras comemorações do 14 de julho do seu mandato presidencial, François Hollande após a tradicional parada militar aproximou-se do público para trocar cumprimentos.

Retomando um hábito iniciado por François Mitterrand, seguido por Jacques Chirac e interrompido por Nicolas Sarkozy, o Presidente da República concedeu uma entrevista televisiva na qual falou dos despedimentos na Peugeot-Citroën.

“ É demasiado fácil dizer que a culpa é do custo da mão-de-obra. Fizeram opções estratégicas que não são corretas. Ou seja, o plano apresentado não é aceitável. Tem de ser renegociado. Daí, avaliação, concertação e plano estratégico para a indústria automóvel”, disse.

Outro dos temas abordados foi a relação com a Alemanha no âmbito da crise na Zona Euro.

“Em cada etapa procurámos encontrar um compromisso. Por exemplo, isso foi conseguido no que respeita ao crescimento. Sobre a estabilidade financeira para apoiar a Espanha e a Itália, demos alguns passos na mesma direção, porque isso era muito importante”, afirmou.

Na companhia do Chefe de Estado Maior do Exército, o almirante Edouard Guillaud, do primeiro-ministro, Jean-Marc Ayrault, e da maioria dos membros do governo, o Presidente de França assistiu ao desfile de cerca de 4950 homens e mulheres que servem os três ramos das forças armadas e da segurança civil.

Valérie Trierweiler, a companheira de François Hollande ocupou um lugar na tribuna de honra junto das personalidades convidadas.

No encerramento da parada um dos paraquedistas que aterrou na Praça da Concórdia teve um pequeno percalço e torceu um pé. François Hollande tentou confortá-lo enquanto era assistido pelos médicos.