Última hora

Última hora

Diário Olímpico: João Costa foi o melhor português e dois recordes caíram

Em leitura:

Diário Olímpico: João Costa foi o melhor português e dois recordes caíram

Tamanho do texto Aa Aa

João Costa foi o melhor português do primeiro dia dos jogos Olímpicos de Londres. O atirador de 47 anos, o atleta mais velho da comitiva nacional, apurou-se para a final de tiro com pistola de ar comprimido a 10 metros e terminou no sétimo lugar. Resultado que iguala a marca conseguida pelo português em Sidney, há 12 anos.
 
Na fase de apuramento, João Costa ficou no oitavo lugar, com 583 pontos. Na ronda final, o português somou mais 99,3 pontos e ultrapassou o finlandês Kai Jahnsson. A medalha de ouro no tiro com pistola de ar comprimido a 10 metros foi para o sul-coreano Jin Jongoh, que somou 688,2 pontos.
 
Ciclismo
Portugal tinha algumas esperanças na prova de estrada destes Jogos Olímpicos. Rui Costa apresentava-se como vencedor recente da Volta à Suíça e fez um Tour razoável. O português até não ficou longe das medalhas (apenas 8 segundos), mas na classificação não foi além do 13.° lugar.
 
O novo campeão olímpico de estrada é Alexander Vinokourov, de 38 anos. O veterano ciclista do Cazaquistão surpreendeu a concorrência, em especial a armada britânica liderada por Mark Cavendish, e conquistou a medalha de ouro ao sprint, deixando a prata para o colombiano Rigoberto Uran e o bronze para o norueguês Alexander Kristoff, ambos de 25 anos.
 
Manuel Cardoso e Nelson Oliveira eram os outros portugueses em prova e cortaram a meta, respetivamente, em 49.° e 69.°.
 
Natação
“Treinei muito para isto e é triste”, foi assim que Sara Oliveira, 26 anos, resumiu a participação nos 100 metros mariposa, em Londres. E podia muito bem ser a descrição deste primeiro dia nos jogos para a natação portuguesa. Sara foi 36.a entre as 42 nadadoras em prova e ficou longe do recorde pessoal. “Sei que consigo mais e melhor que isto, não tenho segunda oportunidade e por isso fico triste de não o poder demonstrar nesta competição”, concretizou a nadadora lusa.
 
Carlos Almeida foi o melhor português dentro de água este sábado. O atleta radicado nos Estados Unidos melhorou a prestação de há 4 anos, mas falhou a final e não escondeu a frustração. “Não sei o que correu mal. Vou ter de rever o vídeo e analisar o que fiz. Não foi o que esperava”, disse, depois de ter alcançado o 25.° posto nos 100 metros bruços.
 
Nos 400 metros estilos, Diogo Carvalho, de 25 anos, também nadou abaixo do esperado. O português foi terceiro na sua série e 26.° na geral, falhando igualmente a final. “Tive uma quebra em costas, que é o meu pior estilo, e já não consegui recuperar”, sintetizou Carvalho, sobre uma prova onde Michael Phelps esteve melhor que o português, mas muito aquém do esperado, conseguindo o apuramento à tira.
 
Na final, Phelps melhorou, mas não o suficiente para chegar ao pódio. O norte-americano foi quarto, numa prova ganha pelo compatriota Ryan Lochte. A medalha de prata foi para o brasileiro Thiago Pereira e o bronze ficou para o nipónico Kosuke Hagino.
 
Ténis de mesa
Lei Mendes também foi eliminada no Ténis de Mesa. A luso-chinesa era a primeira representante nacional na modalidade nuns Jogos Olímpicos e até começou bem diante da tailandesa Nanthana Komwong. Mas a maior experiência da adversária valeu-lhe a vitória num jogo muito disputado (4-3).
 
Recordes
Um recorde do Mundo e um recorde olímpico são os destaques do primeiro dia de provas após a abertura oficial dos Jogos Olímpicos de Londres. Ambos os feitos aconteceram dentro de água e com as cores da China.
 
Primeiro foi Yang Sun a bater o recorde olímpico dos 400 metros livres masculinos, que pertencia a Ian Thorpe desde 2000. O nadador de 20 anos cumpriu a distância em 3.40,18 minutos, ficando a escassos 7 centésimos do recorde do Mundo.
 
Depois foi Shiwen Ye, nos 400 metros estilos femininos. A chinesa cumpriu a distância em 4.28,43 minutos, destronando a australiana Stephanie Rice no topo das mais rápidas do planeta a nadar aquela distância.
 
Os chineses seguem, aliás, na liderança da tabela das medalhas conquistadas em Londres, com seis – quatro delas de ouro. A Itália segue em segundo, com cinco, incluindo um pódio completo na prova de florete e mais um ouro. Os Estados Unidos são terceiros, também com cinco, mas apenas um ouro. Brasil e Coreia do Sul partilham a quarta posição com três medalhas cada, repartidas por cada um dos lugares do pódio. Portugal ainda não conseguiu qualquer medalha.