Última hora

Última hora

Diário Olímpico: Piscinas enchem-se de recordes

Em leitura:

Diário Olímpico: Piscinas enchem-se de recordes

Tamanho do texto Aa Aa

Viveu-se um dia mágico nas piscinas londrinas este domingo, nos Jogos Olímpicos. Ao segundo dia de provas caíram dois máximos mundiais e um olímpico.

O primeiro foi nos 100 metros mariposa femininos, com a norte-americana Dana Vollmer, de 24 anos, a retirar 8 centésimos ao anterior máximo, que pertencia à sueca Sarah Sjostrom e havia sido registado em 2009. Vollmer é a primeira mulher a cumprir a distância em mariposa abaixo dos 56 segundos, com o tempo recorde de 55,98 segundos.
 
Nos 100 metros bruços masculinos, a estrela foi Cameron van der Burgh. O australiano, igualmente de 24 anos, retirou 12 centésimos ao anterior máximo, que pertencia ao compatriota Brenton Rickard e havia sido registado também em 2009. Van der Burgh fixou o novo máximo em 58,46 segundos.
 
Camile Muffat, de 22 anos, também inscreveu o nome no livro dos recordes, mas desta feita apenas nos olímpicos. A francesa conquistou o ouro nos 400 metros livres femininos com o tempo de 4.01,45 minutos.
 
Saltando para fora da água, no halterofilismo também se registou um novo recorde do Mundo. Foi na categoria feminina de menos 53 quilos. A proeza coube a Zulfiya Chinshanlo, do Cazaquistão. A atleta, de 19 anos e que cresceu na China, levantou 131 quilos e fixou um novo máximo.
 
Portugueses ainda discretos

A comitiva portuguesa em Londres continua discreta e ainda longe de qualquer pódio, embora tudo possa ganhar novo fôlego esta segunda-feira com a entrada em cena de alguns dos favoritos lusitanos como a judoca Telma Monteiro.
 
Nas provas de domingo, o destaque nacional vai para os remadores Pedro Fraga e Nuno Mendes, que passaram às meias-finais, e para Marcos Freitas, que se apurou para a terceira ronda no Ténis de Mesa.

Esta segunda-feira, o tenista de mesa português defronta o sul coreano Sangeun Oh, sétimo cabeça de série do torneio. João Pedro Monteiro, por outro lado, foi eliminado na segunda ronda e queixou-se da arbitragem.
 
No tiro com pistola de ar comprimido a 10 metros, a portuguesa Joana Castelão falhou a final, mas nem por isso se mostrou desapontada. “Sinto-me muito feliz por ter conseguido fazer esta pontuação e o 15.º lugar é bom para uma estreia”, afirmou a portuguesa, que somou um total de 381 pontos.
 
Na natação, a estreante olímpica Ana Rodrigues e Tiago Venâncio falharam o apuramento para as meias-finais, respetivamente, dos 100 metros bruços femininos e os 200 metros livres masculinos.
 
A judoca Joana Ramos, de 30 anos, foi eliminada por ippon pela francesa Priscilla Gneto, na categoria de menos 52 quilos. “Eu quis de mais, senti que podia ganhar e fui precipitada”, confessou.
 
Na ginástica, por fim, Zoi Lima não se surpreendeu pelo fracasso. A antepenúltima posição na sua série não abateu a ginasta de 20 anos. “Foi uma competição boa, apesar de ter caído no último aparelho, no solo, mas foi aquilo que esperava”, afirmou a “muito satisfeita” Zoi Lima à Agência Lusa, após a prova.
 
Medalhas

Na tabela das medalhas, Portugal continua a não figurar e a China mantém-se a dominar. O gigante asiático leva 12 medalhas, metade são de ouro. Os Estados Unidos recuperam neste campeonato particular e já somam 11, mas apenas 3 são de ouro. A Itália é terceira com 7 medalhas.