Última hora

Última hora

Ida de Putin aos JO indigna exilados russos

Em leitura:

Ida de Putin aos JO indigna exilados russos

Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin foi recebido em 2003 pela Rainha isabel II com grande pompa e circunstância, e por Tony Blair, na altura, primeiro-ministro.
Nove anos depois, independentemente do inquilino no 10 de Downing Street, as relações entre as duas nações ficaram marcadas por todo o tipo de conflitos que vão desde a espionagem aos direitos humanos passando pelos oligarcas russos exilados no Reino Unido.

A cooperação entre os serviços de secretos de Londres e de Moscovo continua suspensa desde a morte por envenenamento, na capital britânica, do dissidente do KGB, Alexander Litvinenko, em 2006.

A mulher do agente acusa Putin de ordenar o assassinato e pediu aos londrinos para usarem um laço branco em protesto pela presença do presidente russo nos Jogos Olímpicos.

Moscovo nega-se a extraditar para o Reino Unido o principal suspeito deste caso por resolver, Andrei Lugovoi, deputado.

Para o Kremlin, a pedra no sapato é o acolhimento britânico aos exilados russos, como Boris Berezovsky. O facto do Reino Unido lhes dar asilo é um problema diplomático para Putin, desde que chegou ao poder.

O caso da pedra para espiar também fez subir a tensão, em 2006. O que parecia uma pedra normal num parque moscovita tinha, no interior, um computador controlado à distância por agentes britânicos, como foi reconhecido pela primeira vez em janeiro deste ano.

A resposta de Putin foi restringir as ONG’s com o argumento de que eram financiadas por espiões britânicos.

A reunião desta quinta-feira, entre Putin e Cameron. acontece duas semanas depois da Rússia e da China vetarem a última tentativa da ONU para pressionar o regime sírio.

Para o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros o não da Rússia a três resoluções de condenação no Conselho de Segurança no tem desculpa.

Esta visita para assistir aos Jogos Olímpicos dá ao chefe do governo Cameron a ocasião de tentar que Putin mude de opinião. Mas para a comunidade russa exilada em Londres é um dia triste.

Muitos dos que fugiram do regime repressivo manifestaram-se em frente da embaixada russa em Londres. Afirmam que, com ou sem jogos, o presidente russo não devia ter sido convidado.

Em todo o caso, a diplomacia olímpica pode contribuir para apaziguar o presidente russo, amante do desporto e antigo campeão de judo.
A Rússia também vai ser anfitiã das Olimpíadas de Inverno em Sochi, em 2014.