Última hora

Última hora

Monza pode perder Fórmula Um

Em leitura:

Monza pode perder Fórmula Um

Tamanho do texto Aa Aa

Monza é um circuito histórico da Fórmula 1. Pelo parque construído em 1922 nos arredores de Milão já passaram os melhores pilotos de sempre. O Circuito nacional de Monza é um dos mais rápidos e difíceis do campeonato de Fórmula UM.

Com um traçado de 5.793 metros e uma reta onde os pilotos atingem os 360K/h, o Autódromo, faz parte da história também pelos pilotos que obtiveram aqui as vitórias.

Este ano, o templo da velocidade faz 90 anos. 90 anos de corridas, emoções e histórias…mas os escândalos e as polémicas assombram a idade de ouro do circuito, que pode mesmo perder o evento mais importante: o Grande Prêmio de Fórmula 1. Falta ver se Monza consegue convencer Bernie Ecclestone da importância da Fórmula 1 para a cidade e a do circuito em si mesmo para a mais alta classe de corridas a motor.

Tudo começou no dia 6 de maio, com uma corrida que pontuava para o Mundial de Superbikes. Uma série de quedas e a chuva incessante provocaram a suspensão da corrida. As investigações posteriores levaram à concusão que a pista estava em mau estado.

Foram detetadas 50 bolhas (bossas e buracos) no asfalto, devido a uma drenagem insuficiente e muito perigosa para os pilotos.

A Federação Internacional de Motociclismo retirou a homologação ao traçado.
Ainda mais grave: a pedido do presidente da SIAS (sociedade que administra o circuito), Paolo Guaitamacchi, foram feitas várias escutas telefónicas, transcritas e publicadas em julho que revelaram que a direção do circuito sabia o que se passava com o asfalto.

Paolo Guaitamacchi:

“- O escândalo estoirou porque graças às escutas provou-se que os directores do autódromo decidiram ocultar uma série de problemas técnicos.”

Os trabalhos no asfalto começaram imediatamente. Quase ao mesmo tempo que as desculpas oficiais. No conselho de administração da SIAS cairam cabeças. Guaitamacchi perdeu a presidência, mas o diretor que ordenou a ocultação da informação mantem-se.

O director do circuito é Enrico Ferrari, um dos arguidos. Ainda se mantem no cargo. Nega elucidar o sucedido e prefere falar de outras coisas:

“Há trabalhos previstos durante três semanas se o tempo for clemente. Não só na zona da Parabólica, mas também nas zonas exigidas pela Federação Internacional do Automóvel, como nesta que vê atras de mim, a Prima Variante. Estamos a mover o separador e a colocar barreiras para proteger a via de escape na primeira curva.”

Os trabalhos começaram no final de julho, a pouco menos de um mês do tão esperado Grande Prêmio de Fórmula 1. A pista, asseguram, estará lisa a tempo de acolher o principal evento do ano.

O chamado escândalo das bolhas que tanto prejudicou a imagem do circuito tem provocado insinuações de que este será o Último Grande Prémio de Itália.

A euronews falou com Roberto Scanagatti, o presidente de Monza, que se mostra confiante e descarta a possibilidade da transferência do circuito para outro local:

“- Excluo categoricamente que este seja o último Grande Prémio de Monza. Não acho que o Grande Prémio de Fórmula 1 possa deixar Monza por ser parte integrante da história do automobilismo e ´suprimir Monza é como suprimir as corridas das grandes máquinas”.

Perder o Grande Prémio agravaria imenso a economia pois a cidade vive, principalmente, do grande evento mundial.

Snaggati acrescenta:
“- Sem dúvida que a Fórmula Um é muito importante para Monza, que é conhecida no undo inteiro por causa do circuito.
Também há repercussões positivas do ponto de vista económico. Um estudo recente da Câmara de Comércio de Monza e Brianza refere lucros de milhões de euros que dão para viver o ano inteiro”.

Monza é uma cidade histórica com cerca de 122 mil habitantes e lugares tão emblemáticos como o Palácio Real, o Arengario do século XIII ou a catedral gótica.

Mas Monza depende do Grande Prêmio: a cidade lucra 70 milhões de euros no fim de semana da Fórmula Um .

Uma empregada de bar explica:
“Há muita gente e ganha-se muito, mesmo com os stands que se montam em torno do circuito”.

Uma outra rapariga afirma:

“Acho que é muito importante porque atrai turistas mas, principalmente quando há corridas, Monza vibra de vida, há muitos eventos e é genial poder assistir, vivê-los”

Mesmo os mais idosos so contra o fim do Grande Prmio:

“Que é isso de que vão levar a Fórmula 1 para outra parte? Monza é importante, e por isso é justo que fique aqui”.

Se as obras terminarem a tempo, o Grande Prémio de Fórmula Um vai realizar-se em Monza no fim de semana de 9 de Setembro.