Última hora

Última hora

Londres 2012: As filas enchem-se à procura de bilhetes

Em leitura:

Londres 2012: As filas enchem-se à procura de bilhetes

Tamanho do texto Aa Aa

A busca por bilhetes para ver os últimos dias dos Jogos Olímpicos continua acesa. As filas continuam a encher-se, como testemunhou a Euronews esta terça-feira à porta da Casa Olímpica Francesa, em Londres.

A final mais desejada para ser vista ao vivo, depois do que se passou nos 100 metros, é a dos 200 metros masculinos, na quinta-feira. Será aí que estará mais uma vez Usain Bolt. E será aí onde o jamaicano irá tentar mais uma vez bater o recorde do Mundo (19,19 segundos), que ele próprio estabeleceu em Berlim há três anos.

Ainda há muitas pessoas sem bilhete, mas a acreditar ser possível ver Bolt ao vivo na quinta-feira. “Estamos um pouco mais perto de onde podemos aspirar a um bilhete. Temos de esperar, para ver se conseguimos um lugar na bancada”, afirmou uma jovem integrante de um grupo, que jogava às cartas para ajudar a passar o tempo de espera na fila.

Um italiano, já com alguma idade, espera cumprir um sonho. “Estou aqui desde bem cedo. Espero conseguir um bilhete para poder ver ao vivo os Jogos Olímpicos pelo menos uma vez na vida.”

Um casal revelou-se disposto a abrir os cordões à bolsa. “Queremos muito ver o atletismo. Queremos mesmo muito entrar no Estádio Olímpico. Sinto-me preparada para pagar 200 libras (cerca de 250 euros) por bilhete”, confessou a mulher, à Euronews.

A fila para conseguir bilhetes na Casa Olímpica Francesa, em Londres, começou a formar-se por volta da 1 hora da manhã desta terça-feira. As portas abriram-se depois das 10 horas. Alguns tiveram sorte.

“Estive à espera 9 horas, mas valeu a pena. Vamos poder ver o Usain Bolt. É o nosso herói. Poder vê-lo é muito bom”, congratulou-se um jovem britânico.

Mas há quem ainda não o tenha conseguido e continue na fila, como testemunhou Alisheikholeslami, enviado especial da Euronews a Londres. “Restam poucos dias de Jogos Olímpicos. É cada vez mais difícil arranjar bilhetes. Mas estas pessoas, na fila, não aceitam um não como resposta. Nem se assustam com o tamanho da espera. Elas querem um desses bilhetes”, concluiu.