Última hora

Última hora

Londres 2012: Turquia e Bahamas com recordes de ouro

Em leitura:

Londres 2012: Turquia e Bahamas com recordes de ouro

Tamanho do texto Aa Aa

Esta sexta-feira viveu-se mais uma noite repleta de medalhas e recordes no Estádio de Startford em Londres. Nos 800 metros femininos, Meseret Defar, medalha de ouro em Atenas e bronze em Pequim, recuperou o título olímpico com um tempo de 15“04’25. A atleta da Etiópia foi seguida pela queniana Vivian Cheruiyot e pela compatriota Dibaba Tirunesh que ganhou a medalha de bronze.

Depois foi a vez da tão aguardada prova de estafeta feminina. Jamaica e Estados Unidos eram os países favoritos e assumiram-no desde o início. No entanto, as norte-americanas não deram tempo as jamaicanas para terem qualquer esperança. Allyson Felix (campeã olímpica dos 200 metros), Carmelita Jeter, Tianna Madison e Bianca Knight não só conquistaram a medalha de ouro como ainda baixaram o recorde do mundo em quase um segundo: 40’82 é o novo tempo a bater. A Jamaica foi medalha de prata e Ucrânia alcançou o bronze.

Nos 1500 metros chegou a surpresa da noite, com a Turquia a fazer a dobradinha: ouro e prata na mesma distância. É a primeira medalha de ouro para a Turquia no atletismo. A Turquia que é uma séria candidata a organizar os Jogos Olímpicos de 2020 em Istambul. Asli Cakir Alptekin conquistou a medalha de ouro com o segundo melhor tempo da época na distância: 4“10’23. Gamze Bulut de 20 anos levou a medalha de prata e Maryam Yusuf Jamal do Bahrein foi medalha de bronze.

No salto com vara, o ouro foi para a França. Com um salto de 5.97, o francês Renaud Lavillenie é o novo campeão olímpico da modalidade. Depois das duas medalhas de bronze alcançadas nos mundiais de Berlim e Daegu, Lavillenie conquistou finalmente o título olímpico que tanto desejava. O atleta francês de 25 anos superou os alemães Bjorn Otto e Raphael Holzdeppe que completaram o pódio. A França não ganhava uma medalha de ouro no atletismo desde Atlanta em 1996.

A última surpresa da noite veio das Bahamas, que pôs um ponto final ao domínio norte-americano nas estafetas dos 4×400 metros. A equipa das Caraíbas derrotou os EUA bicampeões olímpicos e mundiais da distância. A prova foi decidida ao sprint com um final emocionante entre Estados Unidos e Bahamas. Os norte-americanos conquistaram a medalha de prata e Trinidade e Tobago o bronze.
A África do Sul de Oscar Pistorius foi a oitava e última classificada da final.

*Basquetebol”

Esta sexta-feira ficaram também conhecidos os finalistas do torneio masculino de basquetebol. Como era de esperar, as favoritas Espanha e Estados Unidos vão disputar a medalha de ouro. A Espanha derrotou a Rússia por 67 a 59 e os EUA bateram a Argentina.

Voleibol

A Rússia não vai estar na final do basquetebol, mas vai disputar uma medalha de ouro com o Brasil no voleibol masculino. A seleção russa derrotou surpreendentemente a Bulgária por 3-1 e vai lutar por um título olímpico que não vence desde 1980. O Brasil bateu a Itália por 3-0 sem muitas dificuldades.

Atletas Portugueses

Esta quinta-feira, Portugal recebeu mais uma boa notícia de Londres. A canoísta Teresa Portela qualificou-se para a final dos 200 metros da categoria K1 e vai lutar por uma medalha. A atleta portuguesa terminou a terceira série das meias-finais em terceiro lugar com um tempo de 41,562 segundos que lhe valeu o último lugar de acesso à prova final deste Sábado.

Na classe 470 da vela, os portugueses Miguel Nunes e Álvaro Marinho partiram para a última regata sem qualquer esperança de lutar por uma medalha e concluíram a competição no oitavo lugar da classificação geral. A dupla portuguesa terminou a prova desta sexta-feira no quinto lugar e garantiu ainda o diploma olímpico que era o primeiro objetivo. A medalha de ouro foi para os australianos Matthew Belcher e Malcolm Page. A dupla britânica foi medalha de prata e os argentinos Calabrese e de la Fuente completaram o pódio.

Portugal contou também com a participação de Arseniy Lavrentyev nos 10 quilómetros de natação, a prova conhecida como maratona aquática, mas o português nascido na Rússia alcançou apenas a 19ª posição. O atleta de 29 anos, conhecido pela sua resistência mais do que pela sua velocidade, deixou fugir o grupo da frente nos metros finais e completou a prova com o tempo de 1“51’37, a 1’46 minutos do tunisino Oussama Mellouli, que conquistou o ouro, depois de já ter alcançado o bronze na prova dos 1500 metros livres.