Última hora

Última hora

UE enfrenta Bielorrússia em solidariedade com a Suécia

Em leitura:

UE enfrenta Bielorrússia em solidariedade com a Suécia

Tamanho do texto Aa Aa

Os “ursinhos” da discórdia, ou de como uma manobra criativa pode acentuar o isolamento de um país europeu.

Perante a intransigência da Bielorrússia, que expulsou o embaixador da Suécia após a original campanha aérea de defesa da liberdade de expressão, os países da União Europeia tomaram uma posição bem clara, numa reunião de emergência em Bruxelas.

Nas palavras do diplomata sueco Olof Skoog, “nos próximos dias será transmitida aos representantes bielorrussos na Europa uma mensagem clara de solidariedade com a Suécia, deixando bem explícito que não se trata de uma questão apenas entre aqueles dois países”, mas sim uma questão que surgiu na sequência das tomadas de posição de Minsk.

Ainda esta semana, as autoridades bielorrussas detiveram dois jornalistas por tirarem fotografias com os famigerados bonecos. Em outubro, os Vinte e Sete vão rever as sanções impostas ao regime de Alexander Lukashenko, que já incluem o congelamento de bens dos líderes políticos, bloqueio de vistos e embargos empresariais.

Per Cromwell, o diretor da Stereo Total, foi o mentor da ideia dos ursinhos de peluche. Enquanto os seus dois sócios seguiam de avião e atiravam os bonecos sobre a Bielorrússia, Cromwell guiava um carro por baixo deles e observava a ação. Fica aqui parte de uma entrevista realizada pela euronews.

euronews: Per, porquê a Bielorrússia?
PC: “É muito perto da Suécia. A situação na Bielorrússia tem vindo a piorar nos últimos anos. A liberdade de expressão e os direitos humanos são cada vez menos. Por isso, pensámos que a Bielorrússia seria um bom país para nos envolvermos.

“O que fazemos é tentar chamar a atenção das pessoas para várias coisas. No nosso trabalho diário, isto é uma marca comercial. Mas usamos os lucros para chamar a atenção para coisas que entendemos merecer mais destaque.

“Tanto pode ser a liberdade de expressão na Bielorrússia como os salários injustos entre homens e mulheres na Suécia, que fizemos em antes. Somos da opinião que usar humor é uma excelente forma de protestar.

“Esta ação dos ursinhos foi inspirada numa outra que também aconteceu na Bielorrússia, em que foram usados bonecos de pano em sinal de protesto. Um ditador pode ser temido, pode ser odiado, mas assim que começamos a rir-nos dele, ele fica realmente em problemas. E um ditador a lutar contra ursinhos de peluche?… Ele, de facto, não pode vencer essa guerra.

“Alguns dos jornalistas que estão agora na prisão, estão presos porque estavam a fazer uma campanha de apoio por Anton Suryapin. A União Europeia está a discutir o assunto e a decidir sobre novas sanções à Bielorrússia. Isso é bom. Não estávamos à espera que isto fosse tão longe, tão rápido.”

O grupo da agência de comunicação sueca Stereo total está agora ainda a saborear o êxito da campanha dos ursinhos de peluche. Mas novas ações similares podem acontecer em breve. Na Bielorrússia ou noutro país. O segredo é, defendem, a alma do negócio.