Última hora

Última hora

Londres 2012: Usain Bolt cobre Jamaica de ouro

Em leitura:

Londres 2012: Usain Bolt cobre Jamaica de ouro

Tamanho do texto Aa Aa

Para Carl Lewis, os EUA iriam bater a Jamaica na final dos 4×100 metros. Usain Bolt não gostou da declaração e um dia depois do jamaicano afirmar que não tinha nenhum respeito pela lenda do atletismo norte-americano, a Jamaica provou na pista de atletismo ser mais forte e mais rápida dos que os EUA. Bolt, Blake, Frater e Carter não só conquistaram a medalha de ouro na estafeta, revalidando o título olímpico de Pequim, como fixaram o recorde mundial, pela primeira vez, abaixo dos 37 segundos. Tyson Gay, Justin Gatlin e companhia tiveram de se contentar com a medalha de prata. O bronze ficou para a Trinidade e Tobago após desqualificação do Canadá.

Usain Bolt deixa Londres com a sensação de dever cumprido. Se antes dos jogos havia dúvidas sobre a superioridade do campeão olímpico em relação ao compatriota Yohan Blake, elas ficaram totalmente dissipadas. Bolt conquistou as mesmas três medalhas de ouro que tinha ganho e Pequim e alcançou um feito antes nunca visto: a dobradinha dos 100 e 200 metros em dois Jogos Olímpicos seguidos.

No 11º dia olímpico, para além de Bolt, o britânico Mohamed Farah foi um dos grandes protagonistas ao vencer o ouro nos cinco mil metros. Farah de origem somali já tinha ganho a prova dos dez mil metros e voltou a impor-se à concorrência. O etíope Gebremeskel conquistou a medalha de prata e o queniano Longosiwa a de bronze.

Nos 800 metros femininos, Mariya Savinova foi a grande vencedora. A russa aumentou o ritmo na última volta à pista e não foi seguida por nenhuma atleta, nem mesmo a sul-africana Caster Semenya conseguiu acompanhar o ritmo. Semenya, campeã do mundo em 2009, quando foi obrigada a fazer um teste de género, ficou com a medalha de prata. Ekaterika Poistogova também da Rússia completou o pódio.

No lançamento do dardo, Keshorn Walcott foi a surpresa da noite ao conquistar o título olímpico. O atleta de apenas 19 anos venceu a primeira medalha de ouro da carreira com um lançamento de 84,58 metros. O ucraniano Pyatnytsya foi medalha de prata e o finlandês Antti Ruuskanen completou o pódio. O campeão olímpico de Atenas e Pequim, Andreas Thorkildsen, ficou em sexto lugar.

O salto em altura também conheceu a vencedora da competição feminina este sábado. A russa Anna Chicherova, campeã do mundo da modalidade, é também a nova campeã olímpica. A atleta de 30 anos foi a única a ultrapassar a barreira dos 2.05m. A medalha de prata foi entregue à norte-americana Brigetta Barrett. O bronze foi para outra russa, Svetlana Shkolina. As duas atletas ficaram-se pelos 2.03.

Nas estafestas de 4×400 metros femininos, as norte-americanas conquistaram a medalha de ouro olímpica pela quinta vez consecutiva sem grandes dificuldades. O quarteto russo foi o segundo a cortar a meta. As jamaicanas conquistaram a medalha de bronze.

Na marcha feminina as russas voltaram a ser protagonistas. Elena Lashmanova foi a mais rápida a completar a distância de 20 quilómetros A russa de 20 anos é também a nova detentora dos recordes olímpico e mundial: 1:25.02 horas.
A compatriota Olga Kantiskina foi medalha de prata e a chinesa Shenjie Qieyang completou o pódio. Ana Cabecinha foi a melhor classificada entre as portuguesas, alcançando o 9º lugar. Inês Henriques foi a 15ª classificada e Vera Santos foi 49ª.

A Rússia venceu também os 50 quilómetros de marcha masculina. Sergey Kirdyapkin completou a prova em 3:35.59 horas, novo recorde olímpico. O atleta australiano Jared Tallent terminou a prova em segundo lugar e conseguiu prata e o chinês Si Tianfeng foi medalha de bronze.

Basquetebol

No basquetebol feminino, EUA e França bateram-se pelo título olímpico. As norte-americanas confirmaram a superioridade ao baterem a seleção francesa por 86 a 50. É a quinta medalha de ouro olímpica para os Estados Unidos, já as francesas alcançaram a primeira medalha na história do basquetebol feminino. A austrália completou o pódio depois de derrotar a Rússia.

Futebol

A maldição olímpica contínua. O Brasil perdeu mais uma oportunidade de conquistar o único título que lhe falta no futebol: a medalha de ouro olímpica. Depois das derrotas nas finais de Los-Angeles (1984) e Seul (1988), a seleção de Mano Menezes voltou a perder, desta feita, contra o México.

Com Neymar, Hulk e Thiago Silva em campo, o Brasil não foi capaz de exibir futebol ao mais alto nível e só conseguiu criar algum perigo com jogadas individuais. Aos 30 segundos de jogo, uma desatenção da defesa originou o primeiro golo de Oribe Peralta. O avançado de 28 anos do Santos Laguna voltou a marcar aos 75 num remate de cabeça sem qualquer oposição da defesa brasileira. O Brasil tentou reduzir por Neymar, Óscar e Leandro Damião, mas foi Hulk, aos 90 minutos de jogo, a marcar o primeiro para a seleção canarinha. A seleção de Menezes ainda teve uma última ocasião para empatar o jogo. Óscar aos 93 desperdiçou de forma incrível ao cabecear por cima da baliza. O México venceu por 2 a 1 e ganhou a primeira medalha de ouro no futebol que foi também o primeiro ouro nesta edição dos Jogos Olímpicos. A Coreia do Sul ficou com a medalha de bronze depois de bater o Japão por 2 a 0.

Voleibol

Apesar de nunca ter conquistado uma medalha de ouro olímpica no futebol, o Brasil revalidou o título de Pequim no voleibol feminino derrotando os EUA por 3 a 1. As norte-americanas eram as favoritas desde o início do torneio, mas a seleção brasileira provou em campo que continua a ser a nação mais forte no voleibol feminino, ainda que os homens irão também lutar pelo título olímpico este domingo.

BTT

A francesa Julie Bresset conquistou a medalha de ouro na prova de BTT feminina. Uma vitória logo na estreia da ciclista dos Jogos Olímpicos.
Bresset assumiu a liderança logo no início da corrida. A francesa rolou as seis últimas voltas quase sozinha. A alemã Sabine Spitz conquistou a medalha de prata e a norte americana Georgia Gould ficou com a de bronze.

Atletas portugueses

Neste penúltimo dia de Jogos Olímpicos, os portugueses entraram em provas de atletismo e canoagem. Na marcha atlética masculina 50 quilómetros, João Vieira desistiu e Pedro Isidro foi 40º classificado. Isidro tornou-se no primeiro atleta com deficiência intelectual a competir nuns Jogos Olímpicos. Na marcha atlética feminina de quilómetros: Ana Cabecinha foi 9ª, Inês Henriques 15ª e Vera Santos 49ª.

Na canoagem, nas finais de K1 200, Teresa Portela arrancou mal e terminou a prova em 46.549s, em oitavo lugar. Esta foi a segunda final em que a atleta portuguesa participou, embora apenas este sábado tenha disputado uma final A, que permite lutar pelas medalhas.