Última hora

Última hora

Conflito na RDCongo intensifica-se

Em leitura:

Conflito na RDCongo intensifica-se

Tamanho do texto Aa Aa

Na República Democrática do Congo registam-se violações dos direitos humanos que incluem o massacre de aldeias inteiras, violações em massa e sequestros, assim como o recrutamento de crianças pelas forças armadas e pelos grupos rebeldes.

Cerca de 2.000 crianças são utilizadas atualmente por grupos armados da RDCongo, sobretudo nas províncias orientais do Kivu do Norte e do Kivu do Sul, onde segundo a UNICEF milhares de crianças foram recrutadas.

A UNICEF calcula que cerca de 800 soldados do grupo rebelde Gedeon (da milícia Mayi Mayi) são crianças, o que representa 30 por cento do total de milicianos.

Valeria Amos da ONU:

“A situação é terrivel, as pessoas vêm expontaneamente. Estamos a dar o nosso melhor para poder responder a milhares de deslocados num pequeno período de tempo. Politicamente foram esgotadas as possibilidades para terminar esta guerra”.

Intensos confrontos foram assinalados nos subúrbios de Goma, capital de Kivu Norte, no leste da República Democrática do Congo, onde o Exército regular tenta repelir insurrectos aderentes ao chamado movimento de 23 de Março (M23).

Blindados da Missão das Nações Unidas para a Estabilização na República Democrática do Congo (MONUSCO) posicionaram-se em todos os bairros de Goma, invadidos pelos rebeldes fortemente armados, quando uma calma precária reinava nesta cidade fronteiriça do Ruanda.

Soube-se que os milicianos querem controlar várias localidades de Kibumba e o centro comercial de Sake, situado a 30 quilómetros a norte da cidade de Goma.

P governo congolês recusa-se a negociar com os rebeldes do M23

O Uganda e o Rwanda querem privilegiar uma força composta de militares da região, enquanto Kinshasa propõe reforçar o mandato da ONU (Monusco), de 19 mil homens uma grande parte já enviados para o leste, com tropas da Comunidade dos Estados da África Austral (SADC).

O apelo humanitário para a ajuda à República Democrática do Congo em 2012 ascende a 164 milhões de dólares, dos quais foram conseguidos 30,9 milhões.