Última hora

Última hora

Crise romena em França

Em leitura:

Crise romena em França

Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 180 pessoas da comunidade cigana vivem num terreno baldio na localidade francesa de Saint-Priest, perto de Lyon. Nesta manhã de quinta-feira, a maioria acordou com medo. Todos sabiam, há 2 meses que, a partir desta quinta-feira, poderiam ser expulsos a qualquer momento.
 
Na quarta-feira, numa reunião governamental ficou decidido o alargamento das oportunidades de trabalho para a comunidade romena. O receio destas pessoas, é ver a polícia chegar, subitamente, e ter de procurar outro sítio onde viver.
 
Jean-Philippe, militante associativo: “O governo está a responder a uma questão que ninguém põe em causa, a do acesso ao trabalho. Quanto às expulsões não disse nada. O que significa que vão continuar.”
 
Criança romena: “- Porque nos querem daqui para fora? – Euronews: Quem quer isso?
-Vocês e a polícia. Querem-nos fora daqui.“ 
 
Cidadão romeno:“Não tínhamos trabalho na Roménia, nada para comer. É muito difícil.“  
 
A poucos quilómetros de distância, cerca de 50 pessoas da comunidade cigana instalaram as tendas num parque. Foram expulsos no início de agosto de um edifício em Lyon, sem nenhuma alternativa de realojamento.
 
Marie Higelin, Associação Secours Populaire: “Não faz sentido falar de dar trabalho a esta gente, enquanto se fala no desmantelamento dos acampamentos ilegais. Não percebo como estas pobres pessoas podem viver nas ruas num dia e, no outro, lhes dizem que devem ir trabalhar.”
 
Facilitar o acesso ao trabalho da população cigana, é uma decisão considerada positiva por parte da União Europeia. Muitas associações dizem que não é um anúncio verdadeiro. Consideram que o verdadeiro problema é outro, especialmente porque que as expulsões continuam.
Como consequência, famílias inteiras são condenadas a ficar em parques como este, nos subúrbios de Lyon.