Última hora

Última hora

Clusters escapam à crise grega

Em leitura:

Clusters escapam à crise grega

Tamanho do texto Aa Aa

Há cinco anos que a recessão afeta a economia grega. Damos-lhe conta, regularmente, dos efeitos devastadores da crise, mas, nesta edição de Business Planet, propomos-lhe ver as coisas de outra forma, com empresários gregos que se associam em clusters de competitividade de ponta, que inovam nas tecnologias de ponta, que tentam fazer face à fatalidade desta crise.

Em Atenas existe um dos maiores campos de painéis solares do país. O sistema de monitorização foi instalado pela empresa dirigida por Vassilis Nellas. Nos últimos dois anos, o volume de negócios desta PME multiplicou-se por dois e as exportações por quatro. A empresa faz parte do primeiro cluster grego especializado em microeletrónica.

“Através do cluster, tivemos a oportunidade de promover e melhorar o nosso controlo e monitorização de soluções… Tivemos a oportunidade de participar em algumas ações de apoio, como patentes, gestão de direitos de propriedade intelectual, marketing e gestão de produtos”, explica o diretor Vassilis Nellas.

O cluster está localizado em Atenas. Foi criado em 2008 pela Corallia, uma associação sem fins lucrativos, que recebeu 40 milhões de euros graças ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. Os primeiros resultados mostram um aumento do volume de negócios global de quase 270%.

“Os clusters são uma boa ferramenta, apropriada para combater a miséria, a recessão… Os investidores vêm do estrangeiro, da Europa, de Israel, da América. Falam com as pessoas daqui. Pessoas de empresas diferentes podem falar connosco e criar um novo produto. E esta unificação pode trazer, eu diria, economia de escala”, sublinha Vassilios Makios, diretor-geral da Corallia.

Dois outros clusters foram recentemente desenvolvidos aqui, um especializado em jogos, outro em tecnologias espaciais. No total, são mais de 130 empresas.

“Isto é uma mais-valia! Pode unir-se com um cluster em França, na Alemanha, na Lituânia e criar um grande cluster, um cluster europeu em microeletrónica, que pode conquistar o mundo”, realça Vassilios Makios.

“Para mim, as chaves do sucesso são: primeiro, ser inovador, segundo, encontrar nichos de mercado e terceiro, a internacionalização”, conclui Vassilis Nellas, diretor da Inacess.