Última hora

Última hora

Daniel Gros: "BCE tomou decisão certa"

Em leitura:

Daniel Gros: "BCE tomou decisão certa"

Tamanho do texto Aa Aa

Espanha e Itália refletem sobre um eventual pedido de ajuda ao Banco Central Europeu, um dia depois do presidente da instituição, Mario Draghi, anunciar um programa ilimitado de compra da dívida dos países fragilizados da Zona Euro. Em Portugal, o primeiro-ministro diz que as decisões do BCE não são suficientes para sanear a economia lusa.

O diretor do Centro de Estudos de Políticas Europeias, Daniel Gros, afirma que “o BCE tomou a decisão certa. Disse que a responsabilidade sobre a eventual ajuda a um país cabe aos ministros das Finanças, através do fundo europeu de resgate. Se os ministros europeus das Finanças decidirem ajudar um país, isso será feito com liquidez. É exatamente essa a função do BCE, nem mais, nem menos”.

A voz da discórdia vem da Alemanha. A chanceler Angela Merkel viu-se obrigada a defender o BCE contra o próprio Bundesbank e a maioria dos alemães que, segundo as sondagens, se opõem tanto à compra da dívida soberana pelo Banco Central Europeu, como ao futuro Mecanismo Europeu de Estabilidade.

Daniel Gros diz que “o BCE não tomou, basicamente, nenhuma nova decisão. Simplesmente fortaleceu e ofereceu novos detalhes ao que Draghi já antes tinha dito. Vemos que, na globalidade, se trata de um pacote de medidas convincente e, por isso, os mercados reagiram de forma bastante positiva”.

A posição de força assumida pelo presidente do BCE esta quinta-feira surpreendeu os mercados, que recuperaram confiança no rescaldo do anúncio, registando importantes ganhos nas principais praças europeias.