Última hora

Última hora

Eleições legislativas na Bielorrússia marcadas pelo boicote da oposição

Em leitura:

Eleições legislativas na Bielorrússia marcadas pelo boicote da oposição

Tamanho do texto Aa Aa

Os eleitores bielorrussos são chamados este domingo às urnas para elegerem um novo parlamento, cuja configuração é mais do que esperada e não deverá ser muito diferente da anterior.

O presidente Aleksander Lukashenko já se deslocou à assembleia de voto, acompanhado pelo filho. Como tem acontecido desde que o chefe de Estado chegou ao poder, em 1994, estas legislativas não vão alterar o quadro político do país.

Por este motivo, a presença dos eleitores nas assembleias de voto tem-se feito a conta-gotas e a oposição decidiu boicotar aquilo que considera ser um falso exercício democrático.

Na sexta-feira, seis grupos da oposição apelaram ao boicote, argumentando que desta forma o povo vota por uma moção de censura contra Lukashenko.

Os dois principais partidos da oposição bielorrussa retiraram-se da corrida também devido às detenções de ativistas políticos a poucos dias das eleições.

Eduard Fedko é reformado e diz que “é como se as eleições já tivessem acontecido. Já está tudo decidido, quem vai ser eleito, quem vai ficar com os votos. Os deputados que se apresentam vão de certeza ficar no parlamento.”

No dia 18 um tribunal de Minsk condenou três ativistas do grupo de oposição ‘Falar Verdade’ a sete, 10 e 12 dias de prisão por tentaram organizar uma manifestação de apelo ao boicote das legislativas.

Várias jornalistas, bielorrussos e estrangeiros também foram detidos, mas já se encontram em liberdade.