Última hora

Última hora

Síria Irão e Mali no topo da agenda da ONU

Em leitura:

Síria Irão e Mali no topo da agenda da ONU

Tamanho do texto Aa Aa

A tensão crescente entre o Irão e Israel, a guerra na Síria e o conflito no Mali prometem dominar a
67ª Assembleia Geral das Nações Unidas, que decorre em Nova Iorque.

Antes mesmo do início dos trabalhos já o presidente iraniano dava o mote do discurso que vai pronunciar na quarta-feira. Mahmoud Ahmadinejad disse em conferência de imprensa que “Israel não tem raízes no Médio Oriente e que será eliminado”, acusando alguns membros do Conselho de Segurança, com poder de veto, de terem “escolhido o silêncio em relação às ogivas nucleares de um regime falso, impedindo simultaneamente, o progresso científico de outras nações”.

À chegada ao hotel, o líder iraniano tinha à espera uma manifestação contra os ditadores do mundo.

Outra questão a preocupar os membros da ONU é a situação na Síria. O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros recomendou:
“Eu não desistiria dos seis pontos do plano, enquanto não tivermos uma alternativa melhor. Estou frustrado como vocês com a situação mas, repito, qual é a alternativa? Temos que evitar que conflitos como o da Síria incendeiem outros países”.

Guido Westerwelle fazia referência ao retrato traçado pelo mediador da ONU e da Liga Árabe que constata que “a situação no terreno é extremamente má e está a piorar, o que representa uma ameaça para a região e para a paz e segurança no mundo”.

As questões da Síria e do Irão serão levados à tribuna hoje por Barack Obama; já François Hollande, no seu primeiro discurso nas Nações Unidas, vai apelar à criação de uma força de intervenção para acabar com o conflito que divide o Mali, onde os rebeldes tomaram conta da parte norte do país, na sequência de um golpe de estado.