Última hora

Última hora

Comissão Europeia garante que alimentos transgénicos no mercado "são seguros"

Em leitura:

Comissão Europeia garante que alimentos transgénicos no mercado "são seguros"

Tamanho do texto Aa Aa

Estreia esta quarta-feira, em França, um documentário sobre um estudo àcerca dos riscos para a saúde dos alimentos transgénicos, isto é, que contêm organismos geneticamente modificados, conhecidos por OGM.

“Somos todos cobaias humanas?” é o título de
filme que mostra como um cientista francês alimentou ratos, durante dois anos, com uma das mais famosas variedades de milho trangénico, tendo os animais desenvolvido tumores.

Mas há quem ponha em causa a forma como foi conduzido o estudo: “A investigação de Gilles-Eric Seralini usou uma espécie de rato que tem alta probabilidade de desenvolver aquele tipo de tumores, na ordem dos 70% de probabilidade”, alertou Carel du Marchie Sarvaas, diretor do departamento de biotecnologia agrícola da Europabio.

O autor do estudo, divulgado no passado dia 19 de setembro, foi ouvido no Parlamento Europeu e considera que as críticas são mal fundamentadas.

“Fico sempre espantado como cidadão quando vejo que começam imediatamente a criticar o estudo. Embora seja uma primeira reação normal, penso que deveriam tentar saber se há realmente algo grave, o que é que de facto se passa”, disse à euronews Gilles-Eric Séralini.

A correspondente da euronews em Bruxelas, Audrey Tilve, analisou o tema com Paola Testori Coggi, diretora-geral de Saúde e do Consumo da Comissão Europeia, que pediu à Autoridade Europeia de Segurança Alimentar para analisar este estudo.

Paola Testori Coggi disse que os estudos com base nos quais foram aprovados os alimentos trangénicos existentes no mercado europeu “são fiáveis porque são feitos de acordo com protocolos aprovados a nível internacional. Quando a agência europeia tem dúvidas, pede estudos complementares”.

Questionada sobre a lógica de fazer testes em animais durante 90 dias para os OGM, mas fazer de dois anos para os pesticidas, a diretora-geral argumentou que essa questão “vai ser discutida logo que tivermos a opinião da agência europeia sobre este estudo. É óbvio que é um dos temas a discutir. Atualmente não existe nenhuma indicação científica de que os testes devem ser de longa duração”.

Paola Testori Coggi garantiu, ainda, “que os OGM disponíveis no nosso mercado foram avaliados e são seguros e saudáveis. Além disso, somos os únicos no mundo que informam os consumidores sobre a presença de OGM nos produtos que compram”.