Última hora

Última hora

Saakashvili, vídeo e o Sonho Georgiano

Em leitura:

Saakashvili, vídeo e o Sonho Georgiano

Tamanho do texto Aa Aa

A campanha eleitoral para as legislativas na Geórgia trouxe a público acusações terríveis de tortura nas prisões, que já causaram a queda de vários responsáveis políticos, nesta última semana.

As manifestações de protesto sucedem-se desde que uma das duas televisões privadas do país, divulgou um vídeo, alegadamente vendido por um guarda policial. O autor é procurado pela Interpol, com um pedido de extradição, e ter-se-à refugiado na Bélgica.

As imagens mostram as sevícias de um grupo de guardas a vários prisioneiros, no cárcere de Gldani, na região de Tbilissi. Foi divulgado nestes últimos dias mas terá sido realizado em 2011, por um dos abusadores, e vendido ao milionário Bidzina Ivanishvilli, patrão da tv9, candidato e financiador da coligação Sonho da Geórgia.

Este rival do presidente Mikheil Saakashvil lançou-se na política há cerca de um ano.

Filho de um mineiro, Ivanishvili é o homem mais rico de Georgia. Começou a fortuna, de 5 mil milhões de euros, nos turbulentos anos das privatizações na Rússia. Na luxuosa casa de Tiflis, negou estar de conluio com o Kremlin, como acusam os adversários:

“A linha ideológica de Saakashvili, que acusa a coligação de estar a ser manipulada por Putin, já perdeu o interesse. Deixei de estar ligado à Rússia, não sou cidadão russo, não tenho ativos financeiros na Rússia. Tal como prometi aos georgianos, quando entrei na política, vendi os meus ativos para deixar de ter laços”.

Depois de demitir os ministros, o diretor da prisão e meia dúzia de agentes, Saakashvili avisou (na tribuna da ONU) que não vai permitir que a oposição e os aliados estrangeiros continuem a campanha suja:

“A Geórgia não vai regredir, não vai ceder a qualquer pressão, paga pelo dinheiro sujo do Norte, sob ameaça de exercícios militares, ameaça de invasão em caso de perturbações em massa e criação de milícias. Não vai funcionar.”

O escândalo do vídeo deixou o partido do poder numa situação delicada mas não afetou a imagem do mais popular político da Geórgia.