Última hora

Em leitura:

Partido Comunista Chinês: novo líder, nova política?


the-network

Partido Comunista Chinês: novo líder, nova política?

À medida que se aproxima o congresso do Partido Comunista da China, que deverá assinalar uma passagem de poder, levantam-se questões sobre as novas políticas que serão adotadas.

As relações comerciais com a União Europeia são afetadas por divergências, como na produção de painéis solares, com os europeus a acusarem os concorrentes chineses de “dumping”. O excedente da balança comercial, graças ao controlo governamental da moeda, é, há muito, uma fonte de fricções.

O desfecho do braço-de-ferro com o Japão, sobre um conjunto de ilhas, também alimenta uma série de preocupações que são transversais a inúmeras áreas, como os direitos humanos e o tratamento dado aos dissidentes.

O estado de saúde do suposto novo líder, Xi Jinping, um reformista conhecido por ambicionar a supremacia económica da China, é igualmente alvo de especulações.

Que tipo de relações deve a Europa ter com a China? Até que ponto pode a China ser confrontada com a flutuação da sua moeda ou os direitos humanos? Ou encontra-se a Europa impotente perante uma potência galopante?

Para responder a estas e outras questões temos, de Berlim, neste The Network, Helmut Scholz, eurodeputado, membro do Die Linke, um partido alemão de esquerda. Integra a Comissão para o Comércio Internacional do parlamento. Tem sido uma voz crítica contra o facto de a China inundar a Europa com os seus produtos. Helmult Scholz defende que, para haver cooperação, tem de existir um equilíbrio na economia mundial.

No Parlamento Europeu, em Bruxelas, está Duncan Freeman, investigador no Instituto de Estudos da China Contemporânea, que sustenta que um dos fatores positivos na atual crise europeia é a redução do défice comercial em relação à China.

Finalmente, Lixin Yan, jornalista chinês, correspondente na Europa para vários órgãos de comunicação, como a NTDTV e o Epochtimes, ambos críticos do governo.

Convidámos diplomatas chineses, mas mostraram-se indisponíveis para participar neste programa.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

the-network

Estrasburgo: sim ou não?