Última hora

Última hora

Taxa de desemprego nos Estados Unidos

Em leitura:

Taxa de desemprego nos Estados Unidos

Tamanho do texto Aa Aa

A um mês das eleições presidenciais nos Estados Unidos, o anúncio oficial da taxa de desemprego, ainda esta semana,  vai ter impacto na campanha eleitoral.
 
Os economistas não esperam muito a nível de criação de emprego e avançam os números:
  
113 mil novos empregos em setembro, face aos 96 mil de agosto passado.
 
Ora, a taxa de desemprego em setembro deve ter atingido os 8,2%.
  
O mercado de trabalho continua frágil, tal como constatámos num centro de emprego de Washington. 
 
 Christopher Major, desempregado:
 
“Chamaram-me aqui hoje e as coisas parecem ter corrido bem. Talvez consiga o trabalho que pretendo, desejava-o muito, muito”.
 
 
Flolita Davis, desempregada:
 
“Estive desempregado durante dois anos. Foi muito duro”.
 
Segundo os economistas, os empregos diponíveis não chegam para absorver os novos desempregados no mercado de trabalho.
Depois de 31 anos de recuo, por questões demográficas, a força de trabalho nos Estados Unidos está a aumentar desde agosto. Há mais gente a procurar emprego e têm de se criar mais postos de trabalho 
 
Lisa Maria Mallory, diretora do departamento do emprego no distrito de Columbia explica:
 
“O desafio maior é a juventude. Temos uma grande percentagem de jovens desempregados, o que é desconcertante”.
  
Os empregadores americanos mantêm-se prudentes antes de contratarem: preferem esperar o resultado das presidenciais.
 
 Lisa Maria Mallory:
 
“Os mercados estão a estabilizar, há crescimento, mas não muito, e há oportunidades. Felizmente, na minha opinião, vai haver mais estabilidade depois das eleições”.
  
A economia americana deve criar 4,7 milhões de empregos para atingir o nível que tinha antes da recessão de 2007-2009. A taxa de desemprego estagnou nestes últimos três anos abaixo de 8%, pela primeira vez desde a Grande Depressão.
 
 Stefan Grobe, correspondente da euronews em Washington:
 
“À medida que a campanha presidencial atinge a reta final, a alta taxa de desemprego dá um argumento a Mitt Romney contra Barack Obama. Jamais um presidente foi reeleito com uma taxa de desemprego superior a 8 por cento. Mas, aparentemente, estamos a viver uma era completamente diferente. ”