Última hora

Última hora

Aumenta a tensão entre a Turquia e a Síria

Em leitura:

Aumenta a tensão entre a Turquia e a Síria

Tamanho do texto Aa Aa

A tensão continua ao rubro, ao longo dos 910 quilómetros de fronteira entre a Turquia e a Síria. Esta segunda-feira, Ancara retaliou, pelo sexto dia consecutivo. A cidade turca de Akçakale voltou a ser atingido por um morteiro sírio. Desta vez, sem vítimas mortais, contrariamente ao ataque da semana feira passada, que matou cinco mulheres e crianças.

“Infelizmente, o pior cenário, aquele que não queríamos de todo, está a acontecer, agora, na Síria. O povo sírio está a sofrer imenso, como se vê. E, de vez em quando, isso afeta-nos, a nós, também. Já perdemos cidadãos nossos”, lamenta o presidente turco, Abdullah Gul.

Depois do ataque de quarta-feira passada, a Akçakale, o parlamento de Ancara aprovara o uso da força, na Síria, se necessário. E, segundo fontes militares turcas, 25 aviões F-16 foram enviados para exercícios militares na base de Diyarbakir, próximo da fronteira com a Síria.

No terreno, os rebeldes tomaram a cidade de Badama, estrategicamente importante por ser mais uma porta de acesso à Turquia – o que pode agravar ainda mais as tenções entre os dois países.

“Há um ano e quatro meses que espero este momento. Agora, estou de regresso”, explica um rebelde: “Estou de volta à minha cidade. E toda esta gente armada… é realmente fantástico. Estou tão feliz!”

O presidente sírio Bashar Al-Assad tinha na Turquia um aliado na NATO. Aliado que perdeu desde que o regime começou, há cerca de um ano e meio, a reprimir violentamente a revolta popular, provocando, segundo a ONU, a morte de 30 mil pessoas.