Última hora

Última hora

Paquistão: Jovem ativista anti talibã continua em estado crítico

Em leitura:

Paquistão: Jovem ativista anti talibã continua em estado crítico

Tamanho do texto Aa Aa

Continua em estado crítico, a ativista de 14 anos, baleada, pelos talibãs em Mingora, a principal cidade do vale de Swat, antigo feudo dos rebeldes islamitas.

Transportada de helicóptero para o hospital de Peshawar, Malala Yusufzai foi submetida a uma operação cirúrgica para lhe retirar uma bala do ombro.

O prognóstico é reservado, a rapariga está num estado considerado crítico pelos médicos que não excluem a necessidade de Malala receber assistência médica no estrangeiro.

O povo paquistanês mobilizou-se em apoio à jovem militante, galardoada no ano passado com o prémio da paz, criado pelo governo de Islamabad.

O parlamento suspendeu os trabalhos esta quarta-feira, num gesto de condenação pelo ataque.

Nas ruas e nas escolas, os jovens falam de Malala como sendo uma “irmã” e rezam pela sua “rápida recuperação”, esperando que “os seus pontos de vista sirvam de exemplo para outros estudantes”.

Ainda nas ruas de Peshawar, o ataque é visto como uma “tentativa falhada dos terroristas para calar” Malala.

A representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Catherine Ashton, classificou o atentado de “agressão ignóbil e um ataque contra os valores mais básicos da humanidade e os defensores dos direitos humanos”. Por isso, a UE coloca-se ao lado de “todos os que defendem esta causa fundamental” e apoiam a “educação para todos”.

Na capital, um popular refere que o Paquistão tem “uma reputação má, por causa do terrorismo” e que Malala deixou todo o povo “orgulhoso, provando que um pequeno bando de terroristas, não consegue perturbar” a vida dos Paquistaneses, por isso o exemplo da jovem “não deve ser esquecido”.

Malala Yousufzai tornou-se conhecida do mundo em 2009, aos 11 anos, denunciando num blog as violências e atrocidades cometidas pelos talibãs, que incendiavam escolas para raparigas e assassinavam os seus opositores no vale de Swat, tomado pelas tropas de Islamabad nesse mesmo ano.