Última hora

Última hora

Separatismo ensombra eleições locais na Bélgica

Em leitura:

Separatismo ensombra eleições locais na Bélgica

Tamanho do texto Aa Aa

As eleições locais, deste domingo, na Bélgica, estão a atrair as atenções europeias por causa do fantasma do separatismo. Antuérpia, capital da região da Flandres, onde se fala nerlandês, poderá passar para as mãos do partido independentista NVA, liderado por Bart de Wever.

O homem que perdeu 60 quilos em menos de um ano e escreveu um livro a contá-lo, é apontado pelas sondagens como um dos favoritos.

“Honestamente, ainda não decidi, mas penso que o NVA deve ter a oportunidade, para que haja uma renovação. Para termos alguém novo depois de tantos anos de socialistas”, disse um dos habitantes ouvido pela euronews.

Apesar da Flandres ser a região mais rica do reino, o partido aposta no discurso de combate à crise.

“Consideramos ser necessária uma política renovadora para lutar contra a insegurança e dar emprego aos mais jovens. Neste momento temos uma situação em que um terço dos jovens não têm emprego”, argumentou Rob Van de Velde, membro da lista do NVA.

O escrutíneo está a ser visto como um balão de ensaio para um objetivo mais ambicioso a nível nacional, de acordo com os analistas.

“O NVA liderado por Bart De Wever diz claramente que estas eleições são uma etapa de preparação para as eleições federais de 2014, em que é escolhido o governo do país e onde querem avançar com a ideia de separatismo”, explicou o politólogo Dave Sinardet.

Mas o empate na casa dos 40% avançado pelas sondagens pode implicar um entendimento.

“A primeira questão é saber se o NVA consegue a liderança ou se o atual autarca de Antuérpia, Patrick Janssens, consegue manter o cargo. Provavelmente nenhuma dessas duas listas vai ter mais de metade dos votos e terá, por isso, de formar uma coligação”, referiu o politólogo Jean Faniel.

Já os socialistas, no poder tanto em Antuérpia como no governo, apostam na unidade do pequeno reino de 10 milhões de habitantes.

“Todas a gente desta cidade, que tem pessoas de 174 nacionalidades e diversidade religiosa e de pensamento, partilha algo em comum que é viver em conjunto na cidade”, disse Güler Turan, membro da lista do partido socialista.

Os belgas vão eleger dirigentes para 500 autarquias do país, que é constituído também pela região da Valónia, onde se fala sobretudo francês, e pela região de Bruxelas, bilingue.

A Bélgica bateu o recorde de governação interina, tendo o socialista francófono Elio di Rupo conseguido formar um governo de coligação em 2011, um ano depois da realização das eleições.