Última hora

Última hora

Manifestação contra a Síria promete dominar funeral de Wissam al-Hassan

Em leitura:

Manifestação contra a Síria promete dominar funeral de Wissam al-Hassan

Tamanho do texto Aa Aa

Um funeral acompanhado por uma mobilização massiva contra a Síria e contra o governo do Líbano. É o apelo lançado pela oposição libanesa, no dia em que decorrem as cerimónias fúnebres de Wissam al-Hassan, o responsável pelas forças de segurança morto num atentado, em Beirute, na passada sexta-feira.

Os restos mortais do general serão sepultados no mausoléu de Rafic Hariri, o antigo primeiro-ministro assassinado em 2005.

Contra um executivo cujas afinidades com o regime de Bashar al-Assad levantam questões, alguns opositores explicam que vão sair à rua para dizer “‘não’, o medo acabou”.

Muitos libaneses vieram das regiões do norte, de onde era originário al-Hassan, para lhe prestar uma última homenagem e lançar, também eles, um outro apelo: o de paz, num país profundamente desestabilizado pela morte do emblemático militar, num ataque à bomba que matou outras sete pessoas e feriu mais de 80.

O cortejo fúnebre vai passar pelo local do atentado. A família de al-Hassan, que vive em França, já chegou ao Líbano para se despedir de um homem que o clã Hariri recorda como o protetor dos libaneses face a Damasco.