Última hora

Última hora

Poznan, o legado do Euro 2012

Em leitura:

Poznan, o legado do Euro 2012

Tamanho do texto Aa Aa

Poznan levanta-se cedo. A cidade com pouco mais de meio milhão de habitantes tem, em conjunto com Varsóvia, a mais baixa taxa de desemprego da Polónia e valoriza a pontualidade e o bom-humor na chegada ao trabalho.

Ir para o trabalho de comboio ganhou alguma classe depois da renovação da estação ferroviária. A zona central ficou pronta para o campeonato europeu de futebol de 2012, mas ainda há trabalhos a concluir.

Os grandes eventos desportivos deixam muitas vezes elefantes brancos como herança, que a cidade tem grande dificuldade em rentabilizar. Aqui há uma nova infra-estrutura de transportes em desenvolvimento, incluindo uma frota de 40 novos elétricos que ligam os subúrbios ao centro.

A Polónia investiu mais em estradas do que a construir espaços desportivos e Poznan beneficia da conclusão da A2, entre a cidade e Berlim. A duração da viagem passou quase para metade. Uma via que trouxe muitos adeptos durante o campeonato de futebol e que é agora um legado duradouro para o setor empresarial.

“Elétricos, comboios, uma nova estrada, trata-se de uma rede de transporte completamente renovada. Mas o que dizer daquilo que não se vê das janelas do elétrico, que não é palpável e a que chamamos legado social? Afinal, qual é o legado social do Euro 2012?”, questiona o enviado da euronews, Paul McDowell.

Imagens de Poznan, onde se realizaram três jogos, foram vistas por todo o mundo durante o torneio do verão passado. Os cafés e bares que transmitiam os jogos criaram um novo sentimento de comunidade entre os habitantes.

O presidente da câmara de Poznan está no quarto mandato e sabe que faz parte do seu trabalho perceber alterações no sentimento coletivo. O Euro parece ter provocado algumas mudanças.

“Noto que as pessoas de Poznan estão mais abertas e mais dispostas a dar opiniões, porque não se vêem apenas como indivíduos, mas como parte de uma comunidade que partilha ideias e sentimentos. Há uma maior noção de comunidade e isso nota-se na forma como as pessoas se envolvem na vida da cidade. Terminámos recentemente o orçamento da cidade para projetos sociais e houve muito mais gente do que podíamos imaginar a dar ideias e sugestões sobre como o dinheiro deve ser gasto. Essa vontade de colaborar aumentou exponencialmente”,
disse Ryszard Grobelny.

O número de visitantes durante o torneio superou todas as expectativas, cerca do dobro do que a cidade esperava.

A casa redonda, recentemente restaurada, é conhecida como uma das pérolas do modernismo polaco e é paragem obrigatória no circuito turístico, que inclui outros pontos de interesse como a estátua do Golem. Poznen é a cidade berço do rabino Loew, criador do Golem de Praga, uma criatura mitológica judaica. Para os guias turísticos, o legado de junho continua a expandir-se.

“De acordo com um inquérito que fizémos, as 140 mil pessoas que visitaram Poznan durante o campeonato ficaram bastante satisfeitas com a forma como foram recebidas na cidade. Graças a isso, temos agora muitos amigos que recomendam Poznan aos seus conhecidos como um ótimo lugar para passar um fim-de-semana ou umas férias”, explica Jakub Pindych, gestor de marketing.

Adeptos das compras, da vida de café, da moda e da arte cruzam-se no moderno centro comercial. Há workshops no átrio para orientar os que têm aspirações criativas.

Poznan é conhecida como “A Cidade do know-how”, ou “bem-fazer”, que orienta e dá apoio financeiro a quem deseja começar um negócio próprio.

Uma destas empresas, Rapcraft, percebeu esta tendência e há mais de um ano que desenvolve um sistema de impressão 3-D, partilhando essa experiência com o sistema de ensino de Poznan.

A máquina que a empresa cocnebeu e construiu, bem como o software que utiliza, são de utilização aberta, sem restrições de patente ou direitos de autor. O objetivo é incentivar outras pessoas a desenvolverem métodos de impressão semelhantes.
Mas os planos para o futuro da empresa mudaram desde o verão.

“Começámos a pensar no nosso negócio de uma forma global. Graças ao Euro 2012, vieram muitos estrangeiros a Poznan. Então, tivémos a ideia de mostrar esta máquina por toda a Europa, transportando-a numa carrinha. O projeto chama-se Rapcraft e pretendemos mostrá-lo por toda a Europa. Foi algo que nos ajudou a pensar o nosso negócio de uma forma global”, afirmou Bartosz Barlowski, gerente da Rapcraft.

O desporto também continua a expandir-se para além dos limites da cidade. Uma piscina de tamanho olímpico abriu há um ano e permitiu que Poznan se candidatasse a eventos internacionais. No próximo ano vai acolher o Campeonato Europeu Junior.

Há também um complexo semelhante para as famílias, composto por 10 piscinas num centro aquático. Cerca de seis mil pessoas podem frequentar diariamente as instalações. O novo objetivo é aproveitar o entusiasmo criado no estádio municipal de Poznan para manter o mundo informado de como a cidade está a evoluir.

“Chamo-me Paul, venho de Manchester, na Inglaterra, e faço o blogue oficial da câmara municipal de Poznan. O meu trabalho é contar, em inglês, o que é que se anda a passar. Também estive à frente do blogue oficial do Euro 2012. O mais extraordinário que fica dos campeonatos europeus, na opinião de alguém que vive aqui como eu, é o legado que se deixa à cidade. O euro 2012 foi fantástico, mas já terminou e Poznan continua a viver, a crescer e a desenvolver-se”, disse Paul Newsham.