Última hora

Última hora

Crescimento da extrema-direita preocupa judeus na Ucrânia

Em leitura:

Crescimento da extrema-direita preocupa judeus na Ucrânia

Tamanho do texto Aa Aa

A força que o partido ultranacionalista Svoboda demonstrou nas últimas eleições ucranianas está a preocupar a comunidade judaica.

Há pelo menos 103 mil judeus a viver na Ucrânia, sendo que em Israel vivem 500 mil judeus de origem ucraniana.

Mais de 800 mil membros da comunidade foram exterminados durante a II Guerra Mundial.

A euronews encontrou-se com o rabi Pynchas Vyshedski, num bairro de Kiev que foi palco de um dos maiores massacres dessa altura: “Infelizmente, li os textos desse partido, não uma, nem duas vezes, li várias vezes e não preciso de quaisquer provas para poder dizer que são antissemitas”.

Também os israelitas se mostram preocupados com o crescimento deste partido. Alex Miller, deputado na Knesset, pertence ao comité interparlamentar israelo-ucraniano: “Não percebemos por que razão deram a este partido a possibilidade de participar nas eleições, percebemos a democracia ucraniana, mas este tipo de partido não pode entrar no parlamento”.

O líder do Svoboda rejeita as acusações de antissemitismo. Segundo os analistas locais, o partido é composto por várias correntes de extrema-direita, nem todas antissemitas.

“Quero, mais uma vez, dirigir-me aos líderes do Estado de Israel: respeitamos o vosso patriotismo e o patriotismo dos vossos cidadãos. Peço, em troca, que respeitem esses mesmos sentimentos por parte dos cidadãos ucranianos e o direito dos ucranianos à liberdade de expressão”, diz o presidente do partido, Oleh Tahnnybok.

O Svoboda (“liberdade”, em ucraniano) vai ter deputados na próxima legislatura, já que ultrapassou os 5%, mas não se sabe ainda quantos lugares. A líder da oposição, Yulia Timoshenko, considera-o um parceiro viável para uma futura coligação.