Última hora

Última hora

EUA: candidatos votam nos respetivos bastiões

Em leitura:

EUA: candidatos votam nos respetivos bastiões

Tamanho do texto Aa Aa

Hoje é o dia D para a corrida à Casa Branca e é impossível adivinhar -face ao empate técnico nas sondagens – quem sairá vencedor: o atual presidente democrata, Barack Obama, ou o rival republicano Mitt Romney.

Depois de centenas de milhões de dólares gastos, dezenas de milhares de quilómetros percorridos, milhares de apertos de mãos e dezenas de discursos ao longo de um ano e meio de campanha intensiva, o testemunho é hoje transmitido aos cerca de 200 milhões de eleitores, que começaram a exercer o direito de voto a partir da meia-noite (hora de Lisboa), nas primeiras assembleias de voto a abrir as portas, em nove Estados do Leste do país.

O candidato republicano Mitt Romney votou, acompanhado pela esposa, no seu bastião de Belmont, no Massachussets, Estado no qual exerceu o cargo de governador.

Romney passará a noite eleitoral rodeado pelos apoiantes em Boston, capital do Massachussets.

Mas o último esforço de campanha acontece já depois de ter depositado o voto em Belmont, com deslocações à Pensilvânia e ao Ohio, talvez o mais importante dos Estados-chave.

É neste Estado que vai estar concentrada a maioria das atenções, já que, na história do país, nenhum republicano conseguiu aceder à Casa Branca sem vencer no Ohio e, mesmo se a vantagem é mínima, o presidente Barack Obama é aqui dado como favorito nas mais recentes sondagens.

O número dois de Romney, Paul Ryan, candidato republicano à vice-presidência, votou na cidade natal de Janesvillle, no Estado do Wisconsin.

Na segunda-feira, Ryan passou pour cinco Estados – começando no Nevada -, atravessando quatro fusos horários e percorrendo mais de 4500 quilómetros num último esforço de campanha.

O vice-presidente Joe Biden votou em Wilmington, no Delaware, acompanhado pela esposa. Já o presidente Barack Obama votou, como vários milhões de outros eleitores, por antecipação, no passado dia 25 de Outubro em Chicago. Foi a primeira vez que um chefe de Estado norte-americano votou por antecipação.