Última hora

Última hora

Espanha: expulsos das casas hipotecadas com dívidas para a vida

Em leitura:

Espanha: expulsos das casas hipotecadas com dívidas para a vida

Tamanho do texto Aa Aa

“Estou deprimido, sinto-me mal. Não consigo dormir à noite pois deito-me a pensar no dia de amanhã. Temos de deixar a casa para o banco, para onde vamos?
E não é só não termos para onde ir. Estivémos no banco com o diretor que nos exigiu a continuação do pagamento da dívida até ao fim da vida”.

Esta é a situação de milhares de pessoas em Espanha. Fabien e Mariuxi so equatorianos. Chegaram a Espanha há 10 anos e compraram o apartamento há quatro. Ele era motorista e ela era ama. Agora estão os dois no desemprego. Não podem pagar a hipoteca e o banco que expuls-los com o filho de 14 anos.

Desde 2008, 400 mil pessoas sofrem as consequências da lei (de 1909) que autoriza os bancos a expulsar os proprietários que deixaram de poder pagar o crédito com hipoteca da casa. Há cerca de 500 expulsões por dia.
Os créditos imobiliários representam 70% da dívida das famílias em Espanha.

No bairro em que se suicidou uma mulher de 53 anos, muitas outras pessoas estão a perder a casa, os anúncios de apartamento para vender estão por todo o lado.
A pressão de situações extremas levaram o governo a prometer agir.

Para as associações que defendem a alteração da lei, a reforma é urgente.

Rosa de La Fuente:

“É preciso fazer aprovar com urgência, um decreto que aprove uma moratória de, pelo menos, cinco anos para as famílias poderem usufruir do crescimento económico e resolverem a situação.”

O Tribunal Europeu de Justiça já se pronunciou sobre a incompatibilidade da lei espanhola com o direito europeu. A campanha “Stop expulsões” reivindica a extinção do empréstimo na entrega das casas hipotecadas ou uma moratória para o pagamento das prestações.